PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Leicester, sob o estigma da exploração das costureiras

03/08/2020 08h37

Leicester, Reino Unido, 3 Ago 2020 (AFP) - Apenas o barulho de uma máquina de costura quebra o silêncio em um prédio aparentemente abandonado, onde fica uma precária oficina têxtil. Na cidade inglesa de Leicester, um surto de coronavírus que forçou a população ao reconfinamento faz ressurgir acusações de escravidão moderna.

Alguns funcionários carregam dezenas de caixas em um caminhão em frente a este imponente edifício, localizado em um dos bairros industriais desta cidade no centro da Inglaterra, com 1.500 oficinas têxteis.

"A maioria das fábricas de Leicester são pequenas oficinas, muitas vezes localizadas em prédios em ruínas", denunciou a ONG Labour Behind the Label em um relatório do final de junho.

Alguns funcionários até trabalham em casa, como faz pensar uma mulher que sai de uma casa com sacolas transparentes cheias de tecidos multicoloridos e que um homem carrega no porta-malas de um carro.

- Costureira com COVID-19 são obrigadas a trabalhar -Entre 75% e 80% da produção têxtil de Leicester vai para o grupo Boohoo, especializado em "fast fashion" ("moda rápida") e economicamente acessível, afirma a Labour behind the Label.

Muitas empresas baixaram as cortinas com o confinamento e as férias de verão (inverno no Brasil), embora no início da crise da saúde depoimentos tenham denunciado oficinas cheias de funcionários, com um evidente risco de contágio.

"Alguns trabalhadores deram positivo para o coronavírus e foram convidados a continuar trabalhando com seus colegas", disse à AFP Meg Lewis, gerente de campanha desta ONG.

"Não há qualquer prova epidemiológica de que as fábricas tenham sido um fator importante" na circulação do vírus, defendeu, porém, o vereador Adam Clarke, que se referiu à densidade populacional, à pobreza e ao elevado percentual de estrangeiros como possíveis razões do novo surto.

Um "coquetel ruim" que forçou o governo central a decretar um novo confinamento no final de junho nesta cidade de 355.000 habitantes e em suas localidades periféricas.

Os salários nessas oficinas variam de £ 2 a £ 3 por hora, claramente abaixo do salário mínimo de £ 8,72 (US$ 11,41), de acordo com vários depoimentos obtidos pela ONG.

Atingida pelo escândalo, a marca Boohoo disse estar "horrorizada" com os fatos relatados e prometeu abrir uma investigação. Meg Lewis considera essa medida insuficiente, porém, e pede ao grupo que reflita sobre seu modelo de negócios que permite vender alguns vestidos por menos de 5 euros em seu site.

- "Há apenas trabalhadores ilegais" -Os baixos salários são um tabu, e o medo predomina entre os funcionários.

"Não falo inglês", desculpa-se uma jovem asiática, que acelera os passos para evitar responder às perguntas de um jornalista da AFP.

"Não posso falar", diz um jovem ao lado de um contêiner que, depois de discutir com um colega em um idioma estrangeiro, responde: "10 libras por hora".

De acordo com Ali (nome fictício), porém, um motorista de Uber que trabalhou como gerente em uma dessas oficinas, é comum que os funcionários recebam £ 3, ou £ 4 por hora.

"Agora há apenas trabalhadores ilegais" entre os cerca de 30 funcionários hoje na empresa em que ele trabalhou, lamenta Ali, na conversa com a AFP.

São "indianos, bengalis", acrescenta.

Muitos deles são migrantes que geralmente não têm visto de residência e que representam populações vulneráveis, das quais os empresários se aproveitam, lembra Meg Lewis.

É difícil saber o número exato de vítimas dessa "escravidão moderna".

Um deputado conservador local garantiu, em meados de julho, que até 10.000 pessoas, o grupo de trabalhadores têxteis em Leicester, podem estar sendo sujeitos a estas condições precárias. Ele denunciou a responsabilidade das autoridades trabalhistas municipais, que consideram o fenômeno muito minoritário.

Entre 1º de maio e 20 de junho, foram feitas 51 inspeções pelo Departamento de Saúde e Segurança, que detectou nove infrações, mas nenhuma delas "grave o suficiente" para levar a uma investigação judicial.

ktr/jbo/spe/eb/zm/tt

Uber

Notícias