PUBLICIDADE
Topo

Deslocados: a luta dos indígenas brasileiros na cidade contra o coronavírus

Membros as tribos Hatxotxay e Juari, na favela da Vila Vitoria favela, em Belo Horizonte - DOUGLAS MAGNO/AFP
Membros as tribos Hatxotxay e Juari, na favela da Vila Vitoria favela, em Belo Horizonte Imagem: DOUGLAS MAGNO/AFP

Da AFP, em Belo Horizonte

13/07/2020 17h25Atualizada em 13/07/2020 17h52

Ângohó Pataxó Hã-Hã-Hãe foi deslocada de suas terras duas vezes. Agora, junto a seus parentes, vive uma luta física contra o coronavírus em uma favela da periferia de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

"Aqui na vila tem 120 casos e já tem óbitos, se a gente continuar aqui mais pessoas de nosso grupo vão se contaminar", disse ofegante Ângohó, de 53 anos. Ela e seu marido, o cacique Hayõ, foram diagnosticados com covid-19 no início de julho e tentam superar a doença recorrendo a remédios ancestrais e à medicina ocidental.

Do povo pataxó hã-hã-hãe, Ângohó é oriunda da Bahia, no nordeste do país. "Mas lá enfrentamos uma grande crise de água devido à proliferação de plantações de eucalipto e saímos em busca de uma vida melhor", conta à AFP na casa de dois cômodos na favela Vila Vitória, onde luta para se recuperar do vírus que a mantém com febre, tosse e falta de ar.

A mais de mil quilômetros, Ângohó e pouco mais de 20 famílias encontraram em 2016 uma terra para chamar de sua nas margens do rio Paraopeba, em Minas Gerais. Mas em 25 de janeiro de 2019, com a ruptura da barragem da mineradora Vale em Brumadinho, toneladas de resíduos tóxicos contaminaram o rio do qual dependiam para viver.

A tragédia matou quase 300 pessoas e deixou muitas outras sem recursos, incluindo seus parentes, que no início deste ano se viram obrigados a mudar para a periferia de Belo Horizonte.

"Devido ao rio estar morto e a gente não poder plantar nem fazer rituais, estávamos ficando doentes. Saímos de lá porque não estávamos aguentando mais ficar naquela situação", conta Ângohó, que tornou-se uma das vozes de denúncia desta tragédia humana e ambiental.

Treze famílias se instalaram em casas de tijolos na favela Vila Vitória. O restante foi para outros estados.

Há dias em que seu marido não consegue se levantar. Ela recorre a remédios naturais como gengibre, sementes de abacate, pitanga, folha de tabaco, alecrim e amburana para tratar a febre e o mal-estar.

A casa em que moram é sustentada com o auxílio pago pela Vale por determinação judicial.

Com seus cocares de pluma, as silhuetas de Ângohó e Hayõ com a cidade ao fundo parecem fora de lugar. Eles cobrem o rosto com máscaras amarelas, com desenhos geométricos semelhantes às pinturas corporais.

Outras cinco pessoas do grupo familiar estão com sintomas e Ângohó não esconde o medo. "Nossa esperança é que nosso povo não se contamine", disse contendo as lágrimas.

Ela fala devagar por causa da falta de ar e a tosse lhe interrompe a cada minuto. Diz que sobrevive graças a uma rede de voluntários da sociedade civil, já que o auxílio da Vale "é insuficiente".

"Mas a gente não quer viver assim, de doação. Sabemos plantar, fazer nosso artesanato, só queríamos que nos devolvessem nossa terra e nossa paz", afirma.

Vale se manifesta

Brumadinho - Divulgação/CBMG - Divulgação/CBMG
Imagem: Divulgação/CBMG

Em nota, a Vale afirmou que está tomando uma série de medidas de apoio ao combate à covid-19 entre os indígenas em Minas Gerais, atuando em conjunto com o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) da região, a Funai (Fundação Nacional do Índio) e as secretarias municipais e estadual de Saúde.

"Para os índios pataxós e pataxós Hã Hã Hãe da aldeia Naô-Xohã, uma equipe multidisciplinar de saúde contratada pela Vale implementou um plano de contingência para covid-19, com vídeos com orientações sobre o enfrentamento da doença; atendimento psicológico remoto; monitoramento diário dos sintomas; e apoio no contato com o serviço de saúde municipal ao sinal de qualquer caso suspeito", alegou a mineradora.

A empresa também lembrou que, desde o rompimento da barragem em Brumadinho, os membros da aldeia recebem auxílio emergencial integral pago pela Vale, somado ao custo de uma cesta básica por família e do frete para compra de mantimentos.

Além disso, a mineradora disse ter doado mais de 3 mil kits de higiene e limpeza para indígenas de todo o estado. "Como medida preventiva, a Vale está apoiando os distritos especiais indígenas, com a doação de tendas móveis para a criação de centros de quarentena em locais próximos às aldeias", acrescentou.

Notícias