PUBLICIDADE
Topo

Investidores querem redução de desmatamento, diz Mourão

09/07/2020 15h06

SÃO PAULO, 9 JUL (ANSA) - O vice-presidente Hamilton Mourão participou nesta quinta-feira (9) de uma reunião virtual com investidores estrangeiros e reforçou o compromisso do governo de Jair Bolsonaro para preservar o meio ambiente, especialmente em relação ao combate ao desmatamento ilegal e a queimadas na Amazônia. Em entrevista à imprensa, o vice de Bolsonaro afirmou que os investidores esperam ver resultados da política ambiental, antes de retomar os investimentos.   


"Em nenhum momento eles se comprometerem com alguma política dessa natureza. A nossa avaliação, é óbvio: eles querem ver resultado. E qual é o resultado que podemos apresentar: é que haja efetivamente uma redução do desmatamento", disse.   


Mourão, que é responsável por liderar o Conselho da Amazônia, reuniu também durante a videoconferência os ministros Walter Souza Braga Netto (Casa Civil), Tereza Cristina (Agricultura), Ricardo Sales (Meio Ambiente), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fábio Faria (Comunicação), e Roberto Campos Neto (Banco Central).   


O encontro na manhã desta quinta-feira foi motivado por uma carta que o governo recebeu de empresas brasileiras e estrangeiras em que elas manifestaram preocupações relacionadas ao desmatamento e pediram a defesa da agenda do desenvolvimento sustentável. A política ambiental recebeu críticas de atores internacionais, em especial após as queimadas registradas na Amazônia Legal no ano passado.   


Na semana passada, durante a cúpula do Mercosul, Bolsonaro chegou a dizer que o governo brasileiro está dialogando com diversos interlocutores "para desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil e expor as ações que tem tomado em favor da proteção da Floresta Amazônica e do bem-estar da população indígena".   


Mourão, por sua vez, ressaltou que durante a reunião virtual tratou sobre as medidas tomadas "de forma multidisciplinar", entre elas as que tratam sobre mineração de terra indígena, saúde indígena, combate ao desmatamento, regularização fundiária e acordos internacionais assinados pelo Brasil.   


Para ele, o país precisa ter resultados positivos em relação à luta contra o desmatamento no segundo semestre, para evidenciar nas negociações com os investidores. "Não há prazo [para a retomada dos investimentos]. A nossa visão é que a gente conseguindo apresentar, no segundo semestre, algo positivo em relação às queimadas, é algo que pode ser colocado na mesa de negociação dizendo: estamos cumprindo a nossa parte e vocês voltem a cumprir a de vocês", disse.   


Por fim, o vice-presidente relatou que iniciou novas conversas sobre o Fundo Amazônia, especialmente com Noruega e Alemanha, os principais doadores. Segundo Mourão, os dois países também aguardam o resultados dos esforços do Brasil para reduzir o desmatamento ilegal e as queimadas.   


"Estamos aguardando o visto bom deles que também está ligado à nossa resposta em relação ao desmatamento. Uma vez que consigamos apresentar dados consistentes, os recursos que estão lá [no fundo] serão novamente reabertos para os projetos relacionados ao desenvolvimento, proteção e preservação da Amazônia", concluiu.   


Decreto - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que o governo deve editar até a próxima semana um decreto suspendendo a autorização para o uso de queimadas para fins agrícolas por 120 dias. Em agosto do ano passado, o governo editou um decreto proibindo a prática por 60 dias.   


"Este ano o presidente determinou que se fizesse um estudo de viabilidade para a suspensão por 120 dias das queimadas. Na Amazônia e no Pantanal sem exceções e nos demais biomas com as exceções previstas em lei. O texto deve estar pronto para assinatura na próxima semana", afirmou Salles. (ANSA - Com informações da Agência Brasil)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Notícias