PUBLICIDADE
Topo

Mandetta lamenta marca de 60 mil mortes e ataca governo: 'Nau sem rumo'

Mandetta foi o primeiro dos três ministros da Saúde do governo Bolsonaro durante a pandemia - Reprodução/TV Brasil
Mandetta foi o primeiro dos três ministros da Saúde do governo Bolsonaro durante a pandemia Imagem: Reprodução/TV Brasil
do UOL

Do UOL, em São Paulo

02/07/2020 09h34Atualizada em 02/07/2020 12h49

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta atacou o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) depois de o Brasil passar da marca de 60 mil mortos pelo novo coronavírus, de acordo com os números da pasta e do consórcio de imprensa do qual o UOL faz parte.

Mandetta tuitou que o país segue como uma "nau sem rumo" e manteve o pedido para que as pessoas tentem ficar em casa, para evitar o alto índice de contágio pela covid-19.

"Mais de 60.000 pessoas perdidas. Nau sem rumo. Força SUS. Força Minas, região Centro-Oeste e região Sul", escreveu ele, no Twitter.

"Governos passam. Quem preserva a vida pode ter a chance de comemorar o que a ciência trará! #fiqueemcasa", acrescentou.

Mandetta deixou o cargo de ministro da Saúde em 16 de abril. Ele foi substituído por Nelson Teich, que durou menos de um mês na pasta. O Ministério vem sendo comandado interinamente pelo general Eduardo Pazuello.

Os números do Brasil

O levantamento do consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte apontou ontem que o Brasil teve uma alta de 1.057 mortes causadas pelo coronavírus, elevando o total para 60.713. São 81 óbitos a mais do que os informados nesta quarta pelo Ministério da Saúde.

Já o total de casos de pessoas com covid-19 desde o início da pandemia no país é de 1.453.369, segundo balanço de ontem à noite do consórcio. O governo federal contabilizava, no mesmo momento, 1.448.753 casos. O país ainda tem aos menos 826.866 casos recuperados e 561.255 mil em acompanhamento, segundo dados do Ministério da Saúde.

Na última semana, de acordo com números do consórcio, os registros de novas mortes caíram no 17,86% no Norte e 13,12% no Sudeste em comparação com o período anterior. Esse percentual considera a média diária de óbitos em 24 horas notificadas ao longo de sete dias consecutivos.

Notícias