PUBLICIDADE
Topo

Argentina reafirma desejo de continuar nos acordos do Mercosul

02/07/2020 12h38

Assunção, 2 jul (EFE).- O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá, declarou durante a Cúpula de Chanceleres do Mercosul, a intenção de seu país de continuar presente nas negociações comerciais do bloco com outras nações, apesar de recentemente ter ameaçado abandonar as negociações para se concentrar em assuntos internos.

"Vamos estar em todas as mesas de acordos, de forma alguma vamos descartar nossa opinião, nem vamos tentar obstruir o progresso dos acordos", disse Solá no evento, realizado por videoconferência.

Em 24 de abril, a Argentina anunciou a decisão de se retirar das negociações dos acordos comerciais atuais e futuros do Mercosul, a fim de se concentrar em sua política interna e enfrentar a crise do novo coronavírus.

Entretanto, a Argentina reviu a decisão e não chegou a discuti-la com chanceleres e chefes de governo, e por isso continuou nas negociações do bloco, como reafirmou Solá hoje.

Por outro lado, Solá mostrou-se crítico quanto ao impacto que o acordo com a União Europeia (UE), alcançado em junho de 2019, pode ter sobre a economia do bloco.

O ministro argentino alegou que existirão dificuldades para que mercadorias do Mercosul, especialmente produtos alimentícios, entrem no bloco europeu e afirmou que vê um retrocesso para o comércio de produtos agrícolas.

Mesmo assim, ele garantiu que o governo argentino, como parte do Mercosul, assinará os acordos com a UE e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA), este último pactuado em agosto de 2019.

O bloco sul-americano espera assinar os dois acordos até o final do ano.

Solá pediu aos colegas de cúpula para que mostrem uma posição forte nas próximas negociações.

"No que temos que discutir com o mundo, vamos discutir o mais unidos possível. Seremos muito mais fortes e muito mais respeitados por um mundo cada vez mais difícil e que tende a se fechar", disse.

Neste sentido, a Argentina defendeu a promoção da unidade do bloco sul-americano, tanto comercial quanto fisicamente, como "uma questão absolutamente necessária".

"Integração não significa pensar da mesma maneira, integração não significa ter exatamente a mesma política econômica, não significa ver o mundo da mesma maneira", comentou.

Para dissipar dúvidas sobre o compromisso de seu país com o bloco, Solá enfatizou que o Mercosul é "o projeto político mais importante da Argentina em 30 anos, entendido como um projeto político externo".

Notícias