PUBLICIDADE
Topo

YouTube retira canais de ex-líder da Ku Klux Klan e de outros supremacistas do ar

Canais de David Duke, Stefan Molyneux e Richard Spencer foram retirados do YouTube - Getty Images
Canais de David Duke, Stefan Molyneux e Richard Spencer foram retirados do YouTube Imagem: Getty Images

Em San Francisco (Estados Unidos)

30/06/2020 10h03

O YouTube removeu de seu serviço canais de grupos supremacistas por violarem "repetidamente" suas regras, por exemplo, alegando que certos indivíduos são inferiores a outros, informou ontem a plataforma de vídeo do Google.

A lista de canais removidos inclui a de David Duke, conhecido por ter sido líder da Ku Klux Klan; o canal do líder alternativo de direita Stefan Molyneux; os canais NPI/RADIX e rpspencer, criados por Richard Spencer, um militante neonazista; e o canal supremacista branco American Renaissance e seu canal de podcast AmRenPodcasts.

"Depois de atualizar nossos regulamentos para resolver melhor a questão do conteúdo supremacista, vimos um aumento de 5 vezes no número de vídeos removidos e encerramos mais de 25.000 canais por violar nossas regras sobre discurso de ódio", disse um porta-voz da empresa.

O assassinato, no final de maio, do afro-americano George Floyd, nas mãos de um policial branco, provocou um enorme movimento contra o racismo, que obrigou empresas e instituições a reverem suas políticas, com as redes sociais convertidas mais do que nunca em alvo de críticas por tolerar conteúdo que incite a violência contra pessoas.

O YouTube enfatizou, no entanto, que sua luta contra os supremacistas começou há um ano.

A plataforma decidiu na época proibir "qualquer vídeo que afirme que um grupo é a outro para justificar discriminação, segregação ou exclusão, com base em atributos como idade, sexo, origem, classe social, religião, orientação sexual ou status de veterano", de acordo com seus regulamentos.

Em caso de violação, e como medida de aviso, o YouTube pode retirar direitos dos responsáveis pelo canal, como a possibilidade de obter lucros com publicidade.

Notícias