PUBLICIDADE
Topo

EUA exigem que Conselho de Segurança da ONU prorrogue embargo de armas ao Irã

30/06/2020 19h14

Nações Unidas, 30 jun (EFE).- O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, exigiu nesta terça-feira que o Conselho de Segurança da ONU prorrogue o embargo de armas contra o Irã, com o argumento de que a medida não deixará livre o caminho para que o país islâmico coloque em perigo a paz e a estabilidade da região.

"O Conselho não pode simplesmente esperar que o Irã aja de boa fé", declarou Pompeo discurso por videoconferência ao mencionar o órgão de decisão das Nações Unidas.

O embargo em vigor expira em outubro, e os EUA consideram absolutamente prioritária a continuidade da medida. Por outro lado, Rússia e China - que têm poder de veto no Conselho de Segurança - expressaram oposição à renovação do embargo após o governo americano ter saído do acordo nuclear assinado com o Irã em 2015.

Pompeo advertiu que se o Irã for autorizado a comprar e vender armamento, entre outras coisas, terá "uma carta na manga sobre a estabilidade econômica do Oriente Médio, colocando em perigo países como Rússia e China, que dependem de prelos estáveis da energia.

Suspender o embargo, de acordo com Pompeo, também permitiria que o Irá usasse caças russos capazes de atacar em um raio de 3 mil quilômetros, colocando ao seu alcance cidades como Riad, Nova Délhi, Roma e Varsóvia, e ampliasse a frota de submarinos para ameaçar a situação marítima no golfo Pérsico.

O secretário americano insistiu que este cenário deixaria o governo presidido por Hassan Rohani livre para se tornar um "corrupto traficante de armas" para alimentar conflitos em países como Venezuela, Síria e Afeganistão.

"O Irã não é uma democracia responsável como Austrália ou Índia. Já sabemos o que Teerã fará se tiver a oportunidade de comprar mais armas", analisou, ao denunciar que o país islâmico já violou o embargo.

Pompeo afirmou que o Consleho de Segurança precisa decidir entre "defender a paz e a estabilidade internacional, como queriam os fundadores da ONU, e deixar que o embargo de armas sobre o Irã expire, traindo a missão da ONU e seus ideais". EFE

mvs/vnm

(foto) (vídeo)

Notícias