PUBLICIDADE
Topo

O vídeo da reunião ministerial de Bolsonaro na imprensa europeia

23/05/2020 12h33

O vídeo da reunião ministerial de Bolsonaro na imprensa europeia - Jornais destacam linguagem vulgar do presidente e de seus ministros, acusações de interferência na PF e falta de interesse dos membros do governo em discutir como salvar vidas durante a pandemia.Der Tagesspiegel (Alemanha): As granadas verbais de Jair Bolsonaro

Os programas jornalísticos do Brasil alertaram os telespectadores sobre os muitos palavrões que seriam ouvidos na noite de sexta-feira. Eles não foram ocultados por razões de transparência. Foi então transmitida a gravação de uma reunião de gabinete do governo do presidente Jair Bolsonaro. Tratava-se de uma avaliação geral do estado do país e do governo. As 3.000 mortes que a pandemia dos Covid 19 havia provocado até aquele momento foram abordadas apenas marginalmente.

O presidente se concentrou em atacar, ameaçar, demonstrar raiva. Passou a impressão de um presidente nas trincheiras, jogando granadas verbais ao seu redor. Ele usou os termos "bosta" e "merda" dezenas de vezes.

Apesar dessas declarações reveladoras e dos muitos palavrões, é improvável que a reunião do gabinete que se tornou pública mude politicamente qualquer coisa no Brasil. O país está extremamente dividido entre apoiadores e oponentes de Bolsonaro. Ambos os lados devem usar o vídeo para justificar suas teses.

Welt (Alemanha), com agência AFP: Vídeo explosivo coloca mais pressão sobre Bolsonaro

O vídeo de uma reunião do gabinete no final de abril mostra vários detalhes sujos que podem causar sérios danos ao governo. O presidente Jair Bolsonaro fala palavrões diversas vezes.

Como parte de uma investigação sobre o chefe de estado brasileiro Jair Bolsonaro, um juiz do Supremo Tribunal divulgou um vídeo que reforça alegações de interferência policial. No entanto, o vídeo, registrado em 22 de abril, revela outros detalhes sujos que podem causar sérios danos ao governo do presidente radical de direita, que está no cargo há 18 meses.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por sua vez, propôs usar o momento em que "a mídia está apenas falando do Covid-19" para "mudar todos os regulamentos" que impedem a mineração e a agricultura em terras protegidas na Amazônia. Os opositores do presidente reagiram ao vídeo na sexta-feira com fortes panelaços nas janelas.

Die Tageszeitung (Alemanha): "Eu não vou esperar foder a minha família toda"

Na reunião de gabinete de duas horas, o político de direita afirmou, entre outras coisas, que havia tentado trocar guardas de segurança no Rio de Janeiro. Supõe-se que ele quis dizer Polícia Federal ao falar de "segurança". "Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança", rugiu Bolsonaro no vídeo.

O vídeo mostra mais coisas. Um Bolsonaro colérico lança palavrões obscenos e insulta a mídia e oponentes políticos em uma ofensiva geral. Segundo Bolsonaro, os governadores de São Paulo e Rio de Janeiro implementaram medidas estritas para conter o Covid-19 por razões ideológicas. O Brasil agora tem o segundo maior número de infecções no mundo,

No entanto, a gravação pode alimentar ainda mais o comportamento "é agora ou nunca" de seus seguidores. Os ataques diretos de Bolsonaro apelam para as vísceras de seus seguidores radicalizados. São brasileiros que dificilmente seriam receptivos à mídia tradicional, e que obtêm informações quase que exclusivamente pelas mídias sociais. Eles são leais a Bolsonaro, apesar dos inúmeros escândalos e crises.

Financial Times (Reino Unido): Presidente do Brasil sob ainda mais pressão em investigação

O inquérito que aborda ações de Jair Bolsonaro teve uma nova reviravolta na sexta-feira com a divulgação de um vídeo explosivo, que mostrou o presidente brasileiro aparentemente admitindo que tentou proteger sua família de ser "fodida" em investigações.

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal Federal divulgou um vídeo de uma reunião ministerial ocorrida no mês passado, durante a qual Bolsonaro disse: "Eu não vou esperar foder a minha família toda".

Conforme os desafios políticos para o líder brasileiro aumentaram nas últimas semanas, também aumentou a preocupação com a radicalização de sua base de apoiadores. Em manifestações, alguns apoiadores parecem estar adotando uma postura paramilitar, vestindo uniformes e pedindo o fechamento do Congresso e do Supremo.

The Guardian (Reino Unido), com AP: Brasil: Bolsonaro sofre abalo após juiz ordenar liberação de vídeo repleto de palavrões

Um vídeo repleto de palavrões que mostra o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, expressando frustração diante da sua incapacidade de obter informações da polícia e ameaçando trocar ministros, se isso fosse necessário para proteger sua família, foi divulgado por ordem do Supremo Tribunal Federal, provocando um novo abalo para o presidente de extrema direita.

A popularidade de Bolsonaro tem caído em parte devido à saída de Moro – que é amplamente encarado como um cruzado anticorrupção – e pelas tentativas do governo de minimizar a pandemia de coronavírus, que já matou mais de 20.000 brasileiros em um ritmo crescente.

El País (Espanha): Vídeo revela reunião explosiva entre Bolsonaro e seus ministros com ameaças e insultos

Alguns fragmentos do que foi dito foram divulgados nas últimas semanas por meio de vazamentos para a imprensa, mas agora cada um dos 210 milhões de brasileiros pode ver o vídeo em suas TVs ou telefones. E julgar por si mesmos.

Vale ressaltar que, embora a reunião tenha durado mais de três horas, houve algumas menções ao coronavírus, mas nenhum debate sobre como lidar com a pandemia. O Brasil se tornou nesta sexta-feira, o segundo país com os casos mais confirmados no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Em outro trecho do vídeo transmitido pelas redes de televisão, Bolsonaro fez um ardente discurso favorável à compra de armamento pelos cidadãos. "Por isso que eu quero que o povo se arme! Que é a garantia que não vai ter um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Um bosta de um prefeito faz um bosta de um decreto, algema, e deixa todo mundo dentro de casa", diz o presidente que, desde o início da crise da saúde, insiste que as consequências econômicas serão muito mais graves do que os efeitos diretos da covid-19.

Diário de Notícias (Portugal): Vídeo de reunião ministerial prova que Bolsonaro quis interferir na polícia

"Vou interferir e ponto final", diz Jair Bolsonaro durante uma reunião com os seus ministros no final de abril.

"Noutros pontos do vídeo, Bolsonaro chama os governadores do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Manaus, todos favoráveis ao confinamento, de "bostas" e de "estrume". Diz ainda que quer "armar o povo" para "evitar uma ditadura". "É fácil importa uma ditadura aqui, facílimo". O ministro da educação, Abraham Weintraub, afirma querer "prender os vagabundos dos juízes do STF".

JPS/ots

___________________

Notícias