PUBLICIDADE
Topo

Avião com 99 pessoas cai em área residencial no Paquistão; 2 sobrevivem

do UOL

Do UOL, em São Paulo*

22/05/2020 07h56Atualizada em 22/05/2020 16h23

Um avião com 99 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes, caiu hoje sobre uma área residencial de Karachi, maior cidade do Paquistão, segundo informou a autoridade de aviação do país.

O Airbus A320, que decolou de Lahore, sofreu problemas logo antes de pousar. Ao menos dois sobreviventes já foram encontrados: o primeiro foi o banqueiro Zafar Mahmood.

"Deus foi misericordioso. Muito obrigado", comemorou um representante do governo local ao saber sobre os sobreviventes. Por enquanto, a contagem oficial de vítimas é de 41 pessoas.

Problema no pouso

"A última coisa que ouvimos do piloto foi que ele estava com algum problema técnico", afirmou um porta-voz da autoridade de aviação paquistanesa. Um funcionário sênior da aviação civil disse à Reuters que o avião não conseguiu liberar as rodas devido a uma falha técnica antes do pouso.

Em uma segunda tentativa de pousar, de acordo com a agência, o piloto enviou um pedido de socorro, dizendo que os motores da aeronave tinham parado. O avião bateu primeiro em uma torre de celular, antes de cair sobre as casas.

Capacidade reduzida

Ainda conforme a mídia local, apesar de a aeronave conseguir transportar cerca de 180 pessoas, a PIA anunciou recentemente que voaria com cerca de 50% da capacidade em todos os voos, para permitir medidas de distanciamento social por conta da pandemia do novo coronavírus.

Um porta-voz das Forças Armadas do Paquistão informou que helicópteros estão sendo usados nas buscas e resgate, e que tropas paramilitares já chegaram ao local.

Os hospitais de Karachi receberam 56 corpos do local onde o jato comercial caiu, disseram autoridades de hospitais hoje.

Seemin Jamali, chefe do Centro Médico de Pós-Graduação de Jinnah, afirmou que o hospital recebeu 37 corpos. Outros 19 estavam no Hospital Civil, afirmou um funcionário do hospital à Reuters.

*Com informações da agência Reuters, em Karachi (Paquistão)

*Com informações da AFP, da ANSA e da Reuters

Notícias