PUBLICIDADE
Topo

Remédio secreto de Pontes não empolga nem laboratório que produz substância

O ministro Marcos Pontes - Pedro Ladeira/Folhapress
O ministro Marcos Pontes Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress
do UOL

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

19/04/2020 04h00Atualizada em 19/04/2020 17h38

Divulgado pelo ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), o remédio dito promissor para tratar o coronavírus é feito com a substância nitazoxanida, hoje acessível nas farmácias com o nome Annita, medicamento produzido pela Farmoquímica. O estudo bancado pelo governo não empolga o seu laboratório farmacêutico de origem, que desenvolve paralelamente outra pesquisa em busca de resultados concretos no combate à pandemia da covid-19.

Durante anúncio da pesquisa na última quinta-feira (16), Pontes afirmou que não seria possível identificar o medicamento. Posteriormente, o colunista do UOL Diogo Schelp descobriu que se tratava do vermífugo Annita.

Sem informações conclusivas, o ministro disse que o medicamento obteve 94% de eficácia nas análises in vitro — uma etapa preliminar, pouco confiável, que antecede testes com animais. Por esse motivo, especialistas questionaram a validade das informações.

Em entrevista ao UOL, o médico Vinícius Blum, da Farmoquímica, não se mostrou empolgado com o anúncio feito pelo ministro. Pelo contrário. Ele explicou que as pesquisas capitaneadas pelo Ministério da Ciência e Tecnologia são totalmente diferentes dos estudos que vêm sendo feitos pela empresa com a substância.

"A gente não conhece a iniciativa do Ministério e não estamos nesse estudo. Não fornecemos nenhum medicamento para esse estudo. (...) Para nós, essa iniciativa do Ministério é independente."

Em nota, a empresa reforçou posteriormente que o estudo desenvolvido por iniciativa própria "é independente e não tem qualquer relação" com o trabalho do governo. "A Farmoquímica desconhece o estudo em questão e, por isso, não se manifestou de maneira alguma a respeito do andamento da pesquisa científica do ministério."

"As publicações na mesma data têm levado os canais de comunicação a interpretar que se tratava do mesmo estudo, o que não condiz com a realidade."

Blum destacou que não há interesse da empresa em estimular o uso do Annita. "Não há informação que o remédio seja eficaz e não estamos, de maneira alguma, estimulando ninguém a usar Annita para o tratamento de covid-19."

Metodologia

A Farmoquímica obteve autorização do Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa) para testar a nitazoxanida em um ensaio clínico com 50 pacientes infectados, todos em estado não crítico. O processo, conhecido como "prova de conceito", tem duração aproximada de 21 dias e mobiliza cinco hospitais de São Paulo. Os resultados devem ficar prontos no começo de junho.

Uma das unidades que participam do estudo é o Hospital Vera Cruz, em Campinas, que integra a holding Hospital Care. A rede de saúde privada pertence à antiga Bozano (atual Crescera), gestora de "private equity" que até 2018 tinha Paulo Guedes, o atual ministro da Economia, como sócio.

Na primeira fase dos testes, os 50 pacientes, todos em enfermaria, receberão a nitazoxanida durante sete dias. Depois, a evolução dos quadros será observada passo a passo por 14 dias, etapa conhecida como "follow-up clínico". Também existirá um grupo placebo (com substâncias neutras, sem efeito) para comparação —quando os médicos investigam se uma eventual melhora é resultante da evolução natural do organismo, e não efeito do medicamento.

A pesquisa do governo

Já o Ministério da Ciência e Tecnologia anunciou que partirá para um teste massivo do remédio secreto de Pontes. Serão mobilizados 500 pacientes com covid-19 nas próximas semanas. A estimativa é que os resultados sejam divulgados a partir de maio.

"Para garantir a continuidade dos testes clínicos, e por questões de segurança, o nome do medicamento selecionado será mantido em sigilo até que os resultados dos testes clínicos demonstrem a sua eficácia em pacientes", informou a pasta, em comunicado oficial.

O principal argumento para sustentar a expectativa do ministro foi a estimativa de 94% de eficácia no combate ao vírus, fato observado nos testes in vitro.

'Um desserviço', aponta especialista

O infectologista José David Urbáez Brito classifica o anúncio do governo como um "desserviço". Ele afirma que, de acordo com a sua experiência profissional, trata-se de um "fato corriqueiro" observar a eficácia de moléculas analisadas in vitro. E salientou que os resultados dificilmente se mantêm na etapa mais importante, o exame clínico, isto é, quando a droga é testada em pacientes humanos.

"No mundo da descoberta de medicamentos, os cientistas fazem centenas, para não dizer milhares, de testes in vitro. Quase sempre todos são muito bem-sucedidos. E não apenas com uma molécula, com centenas de moléculas. (...) É uma ferramenta para lá de primitiva e que não dá base para imaginar que isso possa funcionar em um organismo inteiro", explicou.

Segundo ele, o "organismo inteiro" apresenta um cenário muito mais complexo, com uma "imensa multiplicidade de células, vias metabólicas, vias de inflamação". "É muito prematuro dizer que aquela molécula que teve algum efeito interessante e que deu algum entusiasmo poderá ser levada ao uso dentro de uma pessoa".

Além da "irresponsabilidade" do anúncio, segundo opinou o infectologista, há um outro problema grave: o remédio será aplicado em pacientes com covid-19 sem antes passar por etapas fundamentais, como o teste em animais geneticamente manipulados, como camundongos, e posteriormente tipos de primatas que sejam compatíveis com a molécula em questão.

"Nunca se viu uma informação [oriunda de um trabalho científico] de tão baixa qualidade."

Notícias