PUBLICIDADE
Topo

Presidente da Petrobras: monitoramos o mês como quem monitora um paciente na UTI

Fernanda Nunes, Denise Luna

Rio e São Paulo

02/04/2020 21h01

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, comparou a crise atual com um paciente na UTI, que deve ser monitorado permanentemente. "Conseguimos enxergar apenas o curtíssimo prazo. Monitoramos o mês de abril como quem monitora um paciente na UTI", afirmou o executivo em teleconferência promovida pela XP Investimentos.

Segundo o executivo, os efeitos na empresa da queda do preço do petróleo - por conta da alta do petróleo e queda da demanda, simultaneamente - são um problema a ser solucionado pela própria companhia. "Não existe solução fácil. Não adianta apelar para o governo", argumentou.

A maior queda da demanda está sendo a de querosene de aviação, de 86%. O mesmo acontece com a gasolina, que está com queda de cerca de 60%. Já o consumo de gás liquefeito de petróleo (GLP) está subindo. Parte dessa demanda vai ser coberta com importações, já que a produção das refinarias será reduzida. "Temos que trabalhar firme para reduzir estoques", afirmou Castello Branco, que assegurou que não haverá desabastecimento.

Notícias