PUBLICIDADE
Topo

Parte de Santiago é fechada devido a casos de covid-19

Jaime Mañalich, ministro da Saúde do Chile - Divulgação
Jaime Mañalich, ministro da Saúde do Chile Imagem: Divulgação

26/03/2020 00h39

Santiago (Chile), 25 mar (EFE).- O ministro da Saúde do Chile, Jaime Mañalich, anunciou nesta quarta-feira que será estabelecido um cordão sanitário e isolamento domiciliar em sete comunas de Santiago, onde está concentrada a maioria dos casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus.

A medida entrará em vigor a partir desta quinta-feira às 22h (local e Brasília) e terá a duração de sete dias, com possibilidade de prorrogação. Antes disso, o governo nacional já havia decretado toque de recolher e fechamento de fronteiras em todo o território, além de quarentena em algumas áreas.

"A escolha dessas comunas responde ao fato de que elas concentram o maior número de casos. A partir delas, as pessoas que se mudam para outras podem generalizar e expandir a infecção", disse o ministro em pronunciamento no Palácio de La Moneda, sede do Executivo.

A medida restritiva do movimento será aplicada nas comunas de Lo Barnechea, Las Condes, Vitacura, Providencia, Santiago, Ñuñoa e Independencia, todas elas localizadas no leste ou no centro da capital chilena.

"Isso significa que um total de 1.341.000 pessoas da cidade de Santiago terá que ficar em suas casas a partir de amanhã às 22h, quando começa o toque de recolher e por um período renovável de sete dias", detalhou Mañalich.

As localidades envolvidas na decisão governamental respondem por quase todos os casos de coronavírus detectados na região metropolitana e que representam mais da metade dos casos positivos da covid-19 registrados em todo o país.

"Chegou o momento de isolar toda uma população em casa, onde se concentra a alta incidência e o maior número de novos casos", afirmou o ministro.

Além da medida de confinamento domiciliar nas sete comunas, toda a região estará sob a medida aduaneira de saúde, que já havia sido implementada em outras áreas do país para controlar o acesso terrestre, marítimo e aéreo.

"Isso significa que esses pontos serão submetidos a controles e verificações sanitárias para verificar o cumprimento da quarentena estabelecida, para pessoas doentes ou porque há um contato e devem permanecer em casa", salientou.

Segundo o balanço do Ministério da Saúde do Chile entregue nesta quarta-feira, a região metropolitana tem 652 casos de coronavírus e duas mortes, enquanto nacionalmente há 1.142 infecções registradas com um total de três vítimas.

Notícias