PUBLICIDADE
Topo

'Nova York é a próxima Itália', diz prefeito sobre efeitos do coronavírus

Local em Nova York usado como necrotério no 11 de Setembro é reativado por causa do coronavírus - Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images
Local em Nova York usado como necrotério no 11 de Setembro é reativado por causa do coronavírus Imagem: Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images
do UOL

Do UOL, em São Paulo

26/03/2020 22h57

O prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, não vê uma boa previsão para os Estados Unidos nas próximas semanas da epidemia do coronavírus.

Em coletiva, Garcetti afirmou que sua Los Angeles será a próxima Nova York — que conta com mais de 18 mil casos confirmados e quase 300 mortes —, enquanto Nova York será a próxima Itália.

"Da mesma forma que Nova York agora é a próxima Itália, e a Itália é o próximo Irã, e o Irã é a próxima China, não importa onde você mora, você é o próximo, este vírus não se importa onde você mora", disse o prefeito.

Hoje, os Estados Unidos contabilizaram o maior número de casos confirmados de coronavírus no mundo, segundo dados coletados pela Universidade Johns Hopkins e pelo jornal New York Times.

A Johns Hopkins indicou que os EUA têm 82.404 casos, enquanto o Times disse que havia pelo menos 81.321 pessoas que deram positivo para covid-19.

"São vizinhos, não são estatísticas. São os entes queridos que estão em nossas famílias, comunidades e locais de trabalho", acrescentou o prefeito Garcetti.

Ao atingir a marca hoje, os EUA, um país de 330 milhões de pessoas, superaram os pontos críticos de vírus na China e na Itália. O número de casos declarados da Itália ficou hoje em 80.539 e na China em 81.285, de acordo com uma contagem da AFP.

Notícias