PUBLICIDADE
Topo

Grécia aumenta tropas na fronteira turca após Ancara decidir 'abrir portas'

28/02/2020 09h37

Atenas, 28 Fev 2020 (AFP) - A Grécia aumentou, nesta sexta-feira (28), suas patrulhas na fronteira com a Turquia - informou a polícia local, após o anúncio de Ancara de que não impedirá os migrantes que estiverem a caminho da Europa.

Segundo uma fonte da polícia grega, o número de patrulhas duplicou, e se fez um apelo de mobilização geral no país.

"Tudo está sob controle, não há motivo para se preocupar", acrescentou.

De acordo com uma fonte do Exército grego, cerca de 300 migrantes foram vistos do lado turco da fronteira, na região de Evros, ao nordeste.

"É um número que não se afasta do normal", minimizou a mesma fonte.

Jornalistas da AFP também comprovaram que uma embarcação com 15 afegãos a bordo chegou à ilha grega de Lesbos.

Hoje, mais cedo, a Turquia informou que deixará de impedir que os migrantes que tentam entrar na Europa cruzem sua fronteira.

A decisão de "abrir as portas" foi tomada durante um conselho de segurança extraordinário presidido pelo presidente Recep Tayyip Erdogan.

Esta reunião foi convocada após a morte de 33 soldados turcos na região de Idlib (noroeste da Síria), em bombardeios atribuídos por Ancara ao governo sírio. Damasco é militarmente apoiada pela Rússia.

"Não vamos mais conter quem quiser chegar à Europa", declarou um funcionário de alto escalão do governo, que pediu para não ser identificado.

Segundo a imprensa turca, grupos de migrantes seguiam nesta sexta pela manhã para a fronteira com a Grécia, no oeste da Turquia.

A agência de notícias DHA informou que cerca de 300 migrantes sírios, iraquianos, ou iranianos chegaram à província de Edirne, fronteiriça com a Grécia.

Já tendo recebido cerca de 3,6 milhões de sírios que fugiram da guerra, a Turquia teme que um número ainda maior de migrantes esteja para chegar. O governo alega que esse fluxo continuado aumentará a rejeição de sua população à presença de estrangeiros no país.

A Grécia e seus sócios europeus também temem que aumente o número de refugiados da Síria. No passado, a Turquia ameaçou várias vezes "abrir as portas" da Europa, uma forma - segundo observadores - de pressionar uma UE traumatizada com a recente crise migratória. Em 2015, um milhão de refugiados e de migrantes entrou no Velho Continente.

Em março de 2016, Turquia e UE assinaram um polêmico pacto migratório que derrubou drasticamente os fluxos de migrantes para a Grécia.

Nesta sexta, a Comissão Europeia pediu à Turquia que cumpra seus compromissos sobre controle migratório adotados com a UE.

"A Declaração UE-Turquia [de 2016] continua de pé, e esperamos que a Turquia mantenha seus compromissos", afirmou o porta-voz da diplomacia europeia, Peter Stano, em uma entrevista coletiva, referindo-se ao pacto firmado no auge da crise migratória continental.

burs-jph/txw/mba/phv/es/bl/tt

Notícias