PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro inicia ano com aumento de mortes violentas e roubos

12.jun.2019 - PM usa blindado durante operação no Complexo da Maré - José Lucena/ Futura Press/ Estadão Conteúdo
12.jun.2019 - PM usa blindado durante operação no Complexo da Maré Imagem: José Lucena/ Futura Press/ Estadão Conteúdo
do UOL

Igor Mello

Do UOL, no Rio

19/02/2020 16h33

Após seis meses seguidos de queda, o Rio de Janeiro começou 2020 com crescimento no número de mortes violentas, mostram dados divulgados nesta quarta-feira (19) pelo ISP (Instituto de Segurança Pública), órgão responsável pelas estatísticas de segurança pública do estado. Em janeiro, foram registradas 512 mortes violentas, 10,8% a mais do que em dezembro de 2019, quando houve 462 casos. Também houve aumento em modalidades de roubo.

Os dados são compilados no indicador letalidade violenta —que inclui homicídios dolosos, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e homicídios por intervenção de agentes do Estado. A tendência de queda vinha sendo registrada desde julho de 2019. Em relação a janeiro de 2019, porém, houve queda de 8,9% —foram 562 casos naquele mês.

O aumento foi puxado pelos homicídios por intervenção de agentes do Estado —nome oficial de mortes cometidas por policiais. Em janeiro deste ano, foram 152 casos —um aumento de 22,6% em relação a dezembro, quando houve 124 mortes. Contudo, assim como ocorreu com a letalidade violenta em geral, as mortes cometidas por policiais tiveram queda quando comparadas a janeiro de 2019. Neste caso, a redução foi de 4,4%. Em 2019, o Rio registrou o maior número de mortes cometidas por policiais de sua história.

As demais mortes violentas cresceram 6,5% entre dezembro e janeiro.

Os roubos também tiveram crescimento em comparação a dezembro. No caso do indicador roubo de rua —que inclui roubos a transeuntes, em coletivos e de celulares— o aumento foi de 20,6% —de 7.948 ocorrências em dezembro para 9.587 no mês passado.

Os roubos de veículos tiveram ligeiro aumento em relação ao mês anterior, da ordem de 4% — de 3.119 para 3.246 entre dezembro e janeiro. A queda em relação a janeiro de 2019 foi de 14,2%.

Notícias