PUBLICIDADE
Topo

Tendência de real mais fraco não acabou, avalia Citi

A rápida deterioração da conta corrente brasileira é um dos fatores que explicam essa análise pessimista - Getty Images/iStockphoto
A rápida deterioração da conta corrente brasileira é um dos fatores que explicam essa análise pessimista Imagem: Getty Images/iStockphoto

Gabriel Ponte

14/02/2020 19h04

SÃO PAULO (Reuters) - A tendência de um real mais fraco provavelmente ainda não acabou, em razão da rápida deterioração da conta corrente brasileira e da expectativa de persistência nas saídas de recursos dos mercados de ações e dívida, entre outros fatores, disseram estrategistas do Citi em relatório nesta sexta-feira.

O real apreciou 1,1% nos últimos dois pregões, depois de bater sucessivas mínimas históricas ante o dólar. Ainda assim, a moeda brasileira recua 6,7% em 2020, pior desempenho global.

De acordo com o documento, assinado por Kenneth Lam, Andrea Kigel e Dirk Willer, há dúvidas quanto à recuperação econômica da Argentina, quarto principal parceiro comercial do Brasil, o que pode prejudicar os números de transações correntes.

O Citi também considera que o Brasil deve sofrer, no curto prazo, impactos adversos de fraqueza na China, que lida com o surto do coronavírus, particularmente em relação às exportações de minério de ferro.

Além disso, as contas externas poderão ser afetadas por uma elevação nas importações à medida que o crescimento econômico caminha para uma aceleração em 2020.

O Citi projeta que o déficit em transações correntes aumente em 2020 para 3,2% do PIB (Produto Interno Bruto), ante 2,7% em 2019. A instituição também vê continuidade do fluxo negativo para ações e renda fixa.

O banco considera que o real, apesar da desvalorização em 2020, não está extremamente barato — ou seja, do lado do "valuation", não haveria grande potencial de apreciação para a taxa de câmbio.

Tal espaço para valorização do real pelo critério de preço ocorreria "talvez" com a cotação em R$ 5 por dólar — o equivalente a uma desvalorização nominal adicional de 14%.

Porém, no curto prazo, os estrategistas entendem que as intervenções do Banco Central — que retomou nesta semana vendas de contratos de swap cambial — devem ser bem-sucedidas, uma vez que as atuações anunciadas em agosto e novembro de 2019 tiveram êxito.

"Em resumo, é improvável que a tendência para o real mais fraco termine, dados os vários fatores negativos listados acima. Dito isto, no horizonte de um mês, acreditamos que a intervenção [do BC] deve funcionar. Portanto, estamos inclinados a uma posição tática comprada em real", resumem os analistas.

Notícias