PUBLICIDADE
Topo

'Estarei onde for mais importante para Bolsonaro', diz Terra, após demissão

Osmar Terra - Pedro Ladeira/Folhapress
Osmar Terra Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress
do UOL

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

13/02/2020 17h29Atualizada em 13/02/2020 21h53

Com a demissão anunciada hoje, o ministro Osmar Terra (Cidadania), disse que estará onde for "mais importante para o governo e para o presidente Jair Bolsonaro". O posicionamento foi divulgado em nota, após Bolsonaro anunciar sua demissão da pasta.

"Eu estarei onde for mais importante para o governo e para o presidente Jair Bolsonaro. Sou deputado no sexto mandato, com muito orgulho. Agradeço ter ajudado o Brasil e quero continuar ajudando onde estiver. Desejo sorte ao companheiro Onyx Lorenzoni", declarou Terra, em nota.

Com o retorno de Terra ao Parlamento, o deputado suplente, Darcísio Perondi (MDB-RS), deve deixar a vaga.

Terra vinha sendo alvo de críticas e levantou insatisfação do presidente nas últimas semanas. Sua saída dá lugar a Onyx Lorenzoni, que deixará a Casa Civil. No lugar de Onyx, assumirá o general Braga Netto.

Apesar de ser deputado do MDB, o ministro não era indicação da bancada, e sim, convite pessoal de Bolsonaro. Com sua saída, o governo Bolsonaro tem representantes de dois partidos: pelo PSL, Alvaro Antonio (Turismo), pelo DEM, Tereza Cristina (Agricultura) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

O presidente da sigla, Baleia Rossi (MDB-SP), disse que respeita a decisão de Bolsonaro e que o partido seguirá votando "o que for bom para o país", em especial a reforma da tributária.

"Osmar Terra tem história e trabalho reconhecido por todos, por isso foi ministro de dois governos diferentes. De volta à nossa bancada, seguramente, dará sequência a seus mandatos sempre bem avaliados pelo povo do Rio Grande do Sul", escreveu Baleia em seu Twitter.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informou a matéria, o governo Bolsonaro tem, após a saída de Osmar Terra, representante de dois partidos, e não de três. A informação foi corrigida.

Notícias