PUBLICIDADE
Topo

Advogado de Pezão diz que acusações de delator não procedem

Advogado de Pezão diz que acusações de delator não procedem -  MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO CONTEÚDO
Advogado de Pezão diz que acusações de delator não procedem Imagem: MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO CONTEÚDO
do UOL

Do UOL, em São Paulo*

14/01/2020 18h06

Na saída do prédio da Justiça Federal, o advogado do ex-governador do Rio Luiz Fernando Pezão (MDB), Flávio Mirza, afirmou na tarde de hoje que as acusações do delator Sérgio de Castro Oliveira, mais conhecido como "Serjão", não procedem.

"Estamos trabalhando para demonstrar a erronia dessas acusações", disse. O novo interrogatório de Luiz Fernando Pezão está marcado para o início de fevereiro. De acordo com Mirza, ele demonstrará à Justiça que as alegações são falsas. 'Sergião' disse nesta terça-feira que Pezão recebia mesadas de até R$ 150 mil quando era secretário no governo Sérgio Cabral (MDB).

Pezão foi preso por este desmembramento da Lava Jato em novembro de 2018, apontado como líder de um esquema de recebimento de propina herdado do seu antecessor, Sérgio Cabral (MDB). A Sexta Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou a revogação da prisão preventiva de Pezão em 10 de dezembro. Ele responde em liberdade, com uso de tornozeleira eletrônica, a processo por corrupção, lavagem de dinheiro, participação em organização criminosa e fraudes em licitações.

O juiz federal Marcelo Bretas —responsável pelas ações em primeira instância da Lava Jato no Rio— adiou o depoimento que Pezão daria, no âmbito da operação Boca de Lobo, na tarde de hoje.

O depoimento foi cancelado minutos antes de ser iniciado após Bretas ter sido notificado formalmente pelo Ministério Público Federal que outro réu da ação, "Serjão", havia fechado acordo de delação premiada.

Desta forma, seguindo determinação do STF (Supremo Tribunal Federal), os depoimentos dos demais réus da ação ficam suspensos até que as suas defesas tenham acesso aos conteúdos dessa delação. Bretas não escondeu o descontentamento com o fato de a Justiça Federal ter sido notificada deste acordo na noite de ontem (13).

*Com informações da agência Estadão Conteúdo, no Rio

Notícias