PUBLICIDADE
Topo

Equipe de buscas acha destroços em região onde avião chileno desapareceu

11/12/2019 20h00

Santiago, 11 dez (EFE).- A Força Aérea do Chile (FACh) informou nesta quarta-feira que os destroços de um avião foram encontrados flutuando no mar perto do local onde, na última segunda, desapareceu um Hércules C-130 com 38 pessoas a bordo - 35 militares e três civis - e que viajava rumo à Antártida.

"Enquanto eram realizados trabalhos de busca da aeronave desaparecida, foram encontrados destroços flutuando a 30 quilômetros ao sul da última posição de contato do C-130", disse a Força Aérea em comunicado.

Os destroços foram encontrados por um navio pesqueiro de bandeira chilena e "podem fazer parte dos tanques internos de combustível" da aeronave militar, acrescenta o texto.

Já de acordo com o Ministério da Defesa do Brasil, o Navio Polar Almirante Maximiano, que colcabora com as buscas, encontrou "destroços compatíveis" com a aeronave desaparecida no lugar em que sumiu dos radares.

Também em nota, a pasta informou que "partes do avião e os objetos estavam a cerca de 200 milhas náuticas (518 quilômetros) de Ushuaia" (Argentina).

O Almirante Maximiano é o navio que o Brasil utiliza em seus projetos científicos na Antártida e era um dos mais próximos do lugar em que o avião chileno estava quando perdeu contato.

O Hércules C130 decolou na segunda-feira às 16h55 (locais e de Brasília) da base militar de Chabunco, na cidade de Punta Arenas, no sul do Chile, e perdeu contato quando estava a cerca de 500 quilômetros para pousar na base Presidente Eduardo Frei Montalva, uma das mais importantes do continente gelado.

O avião transportava um grupo que iria fazer trabalhos de manutenção na base, incluindo tratamento anticorrosivo de suas instalações, além de verificar as condições do oleoduto flutuante que fornece combustível para a região.

O general-de-brigada da Força Aérea chilena, Eduardo Mosqueira, afirmou em entrevista coletiva que os materiais encontrados devem ser levados para Punta Arenas, a mais de três mil quilômetros de distância, para que sejam iniciados os trabalhos de perícia, o que não deve acontecer antes de quinta-feira. EFE

Notícias