Topo

Juiz arquiva denúncias contra 22 em inquérito sobre Rigopiano

03/12/2019 19h10

PESCARA, 3 DEZ (ANSA) - O juiz do Tribunal de Pescara, Nicola Colantonio, arquivou nesta terça-feira (3) acusações contra 22 pessoas no inquérito sobre a avalanche que destruiu o Hotel Rigopiano, em Farindola, centro da Itália, em 18 de janeiro de 2017. A tragédia deixou 29 mortos. Entre os processos que foram arquivados estão os dos governadores de Abruzzo, Luciano D'Afonso, Ottaviano Del Turco e Gianni Chiodi; da ex-subsecretária de Justiça Federica Chiavaroli; e da funcionária da Proteção Civil Tiziana Caputi. Os 22 haviam sido denunciados em fevereiro e estavam sujeitos a responder por desastre culposo, lesões culposas, homicídios culposos, falsidade ideológica, construção abusiva e abuso de poder, além de diversos delitos ambientais. Na ocasião, o Ministério Público havia atribuído a essas pessoas a construção de um hotel em uma zona de elevado risco de avalanche, perigo que não levantou objeções por parte de órgãos municipais e regionais.   

Com a decisão do juiz italiano, apenas o ex-prefeito de Pescara, Francesco Provolo; o consultor encarregado do cumprimento das normas de prevenção de acidentes Andrea Marrone; o diretor jurídico do Gran Sasso Resort & Spa Bruno Di Tommaso; e Carlo Giovani, diretor da Proteção Civil, permanecem no inquérito.   

O hotel ficava na cidade de Farindola, na Cordilheira dos Apeninos, e foi completamente destruído. Os hóspedes e funcionários que faleceram na avalanche estavam apenas aguardando o envio de um caminhão limpa-neve para ir embora, após uma série de terremotos na região. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Notícias