Topo

Cemitério judeu é profanado com mais de 100 suásticas nazistas na França

03/12/2019 18h40

As "suásticas nazistas" foram descobertas nesta terça-feira (3) em 107 túmulos do cemitério judeu de Westhoffen, não muito longe de Estrasburgo, semeando "consternação" na Alsácia, uma região francesa já marcada por uma série de atos antissemitas nos últimos meses.

As "suásticas nazistas" foram descobertas nesta terça-feira (3) em 107 túmulos do cemitério judeu de Westhoffen, não muito longe de Estrasburgo, semeando "consternação" na Alsácia, uma região francesa já marcada por uma série de atos antissemitas nos últimos meses.

Segundo o presidente do cemitério judeu do Baixo Reno, Maurice Dahan, o cemitério tem cerca de 700 túmulos. Aqueles que foram profanados, manchados com "suásticas" desenhadas em tinta preta, se encontram na parte antiga.

Este cemitério abriga várias sepulturas das famílias do ex-presidente do Conselho francês, Léon Blum, e do ex-presidente do Conselho Constitucional, Jean-Louis Debré. Ele disse à rádio France Bleu Alsace que sentia "raiva por esses atos desprezíveis, escandalosos e revoltantes". "É um insulto à memória, um insulto às mulheres e homens que honraram a França e estão enterrados em Westhoffen", disse, indignado.

O ministro do Interior da França, Christophe Castaner, visitará o local nesta quarta-feira (4) para uma "cerimônia de recolhimento e reflexão". O gabinete do promotor público de Saverne, uma cidade a noroeste de Estrasburgo, da qual Westhoffen depende judicialmente, disse que havia aberto uma investigação preliminar confiada a uma "célula especial" da polícia nacional francesa.

O número "14", considerado um símbolo da supremacia branca, também foi encontrado em uma das sepulturas, disse a mesma fonte.

"Atos repugnantes"

O anúncio dessa nova profanação na Alsácia provocou uma cascata de reações indignadas. O primeiro-ministro da França, Edouard Philippe, expressou no Twitter sua "revolta e sua" repulsa "e Christophe Castaner denunciou" atos abjetos e repugnantes ".

O rabino-chefe da França, Haim Korsia, se disse em um tuíte "escandalizado e horrorizado", enquanto o vice-presidente do Conselho de representantes das instituições judaicas (Crif), Gil Taieb, denunciou o "ódio antijudaico".

"É uma consternação (...), mas não nos desapontamos, não nos resignamos (...) não deixaremos espaço para essas pessoas", reagiu Dahan, que esteve no local com o rabino-chefe de Estrasburgo, Harold Abraham Weill.

O prefeito do Baixo Reno, Jean-Luc Marx, condenou "com a máxima firmeza esses atos antissemitas desprezíveis que mais uma vez atingem o Baixo Reno e expressam seu maior apoio à comunidade judaica".

"Não há palavras, é uma desolação e não podemos entender que as pessoas são capazes de fazer isso", respondeu o prefeito de Westhoffen, Pierre Geist, referindo-se a um ato "desumano".

Fato estranho: Westhoffen foi mencionado duas vezes, com vários dias de diferença, em pichações antissemitas: são essas pichações encontradas na manhã desta terça-feira em Schaffhausen-sur-Zorn, de acordo com a prefeitura, que levaram os policiais a irem ao cemitério, onde descobriram a profanação.

Em 26 de novembro, outras pichações antissemitas foram descobertas nas paredes da prefeitura de Rohr, a cerca de quinze quilômetros de Westhoffen. Segundo Maurice Dahan, eles indicavam "cim jew westofen" (sic).

Há vários meses, a Alsácia enfrenta um surto de pichações e degradações antissemitas e/ou racistas.

(Com informações da AFP)

Notícias