Topo

Campos Neto se diz otimista com 2020, prevê melhora do rating

O economista Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
O economista Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Por Isabel Versiani

03/12/2019 07h31

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse em entrevista exibida na noite de ontem estar otimista com o próximo ano, quando espera uma melhora na nota de classificação de risco do país e uma aceleração do crescimento puxado por investimentos privados, com aumento do fluxo de capital estrangeiro para a economia real ainda no primeiro trimestre.

Em entrevista ao programa "Capital & Mercado", da BandNews, ao ser questionado se a valorização recente do câmbio deve perdurar, Campos Neto disse que o cenário de juros reduzidos tende a diminuir o apetite dos investidores estrangeiros de mais curto prazo, mas também cria um ambiente mais favorável ao crescimento econômico, o que atrai recursos direcionados à economia real.

"É importante entender que estamos passando por um ciclo", afirmou Campos Neto. "Acho que estamos nesse vale onde o dinheiro que especula, que investe nos títulos de renda fixa, está diminuindo e a gente ainda não capturou esse dinheiro da economia real, que acho que vai entrar a partir do primeiro trimestre do ano que vem", complementou, acrescentando que as reformas econômicas são fundamentais para esse processo.

O presidente do BC destacou que, em 2020, o país não enfrentará os três choques deste ano que ele destacou como relevantes —Argentina, Brumadinho e choque internacional, que teriam reduzido crescimento do PIB em 0,6 ponto percentual— e também não sentirá a redução do investimento público, que já está em patamar reduzido.

"Então nós acreditamos que o investimento privado pode puxar o crescimento para um nível mais alto, então estamos otimistas com o ano que vem", afirmou.

Segundo Campos Neto, como resultado da melhora do ambiente econômico e das reformas, o país deverá ter uma elevação na nota de classificação de risco no próximo ano.

"Acho que uma melhoria no rating, no grau do Brasil, vem (em 2020). Não sei se atinge o grau de investimento no ano que vem, mas não é impossível. O país fazendo as reformas, a gente continuando esse processo que foi iniciado, é possível?, afirmou.

O presidente do BC fez, ainda, um apelo para que as pessoas "acreditassem e dessem um pouco de tempo para o governo", destacando que a agenda que está sendo implementada demanda tempo para render frutos.

"O governo está tentando fazer algumas coisas de uma forma muito diferente que eu acho que vão apresentar resultados, mas não são resultados imediatos, então eu pediria que acreditassem e tivessem paciência."

Notícias