Topo

Mundo deve escolher entre "esperança" ou "capitulação", diz Guterres ao abrir COP25

24.set.2019 - O secretário-geral da ONU, António Guterres - Carlo Allegri/Reuters
24.set.2019 - O secretário-geral da ONU, António Guterres Imagem: Carlo Allegri/Reuters

Em Madri

02/12/2019 08h27

A humanidade, que sofre as consequências do aquecimento global, deve escolher entre a "esperança" de um mundo melhor e agir, ou a "capitulação", declarou o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao abrir hoje a COP25 em Madri.

O mundo está em um "ponto crítico" e "até o final da próxima década estaremos em um desses caminhos. Um é o caminho da capitulação, em que teremos passado como sonâmbulos pelo ponto de não retorno, pondo em risco a saúde e segurança de todos os habitante do planeta", advertiu Guterres.

"Realmente queremos passar para a história como a geração que fez como o avestruz, que descansava enquanto o mundo ardia?", questionou Guterres diante dos cerca de 200 signatários do Acordo de Paris, incluindo cerca de quarenta chefes de Estado e de governo.

"O outro caminho é o da esperança. Um caminho de resolução, de soluções sustentáveis. Um caminho em que os combustíveis fósseis continuam estando onde deveriam, sob o solo, e alcançaremos a neutralidade de carbono para 2050", disse.

Ressaltando sua "frustração" pela lentidão das mudanças, insistiu na necessidade de atuar de forma urgente e radical.

O Acordo de Paris de 2015 foi uma "promessa solene" para o mundo inteiro, lembrou.

Os signatários do acordo, reunidos em Madri até 13 de dezembro, suportam uma forte pressão de todos as frentes para acelerar as medidas a fim de reduzir mais rapidamente as emissões de gases de efeito estuda para limitar o aquecimento global a +2ºC, e preferivelmente a +1,5ºC, em relação à era pré-industrial.

Notícias