Topo

Sandero R.S e Polo GTS indicam: marcas acordaram para volta dos esportivos

Polo e Virtus GTS: dois alentos para os fãs de esportivos brasileiros - Divulgação
Polo e Virtus GTS: dois alentos para os fãs de esportivos brasileiros
Imagem: Divulgação
do UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo

30/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Modelos como Gol GTi e Kadett GSi fizeram sucesso nos anos 80 e 90
  • Fabricantes deixaram de apostar nas versões esportivas "de verdade" por anos
  • Fiat, Renault, Peugeot e VW ajudaram a reviver segmento que pode voltar a crescer

A Volkswagen reviveu uma história repleta de nostalgia nesta semana. Além de abrir as portas de sua "coleção secreta" em São Bernardo do Campo, a empresa mostrou as versões finais de Polo e Virtus GTS.

Os esportivos até perderam um pouco do caráter de novidade, já que fizeram algumas aparições ilustres desde a estreia no último Salão do Automóvel de São Paulo, realizado no fim de 2018.

Chama atenção a volta da sigla GTS, jogada para escanteio desde o fim do Gol GTS, algo que ocorreu após a chegada da segunda geração do artilheiro da VW.

Sigla icônica remete ao clássico Gol GTS - Vitor Matsubara/UOL
Sigla icônica remete ao clássico Gol GTS
Imagem: Vitor Matsubara/UOL

A iminente estreia da dupla é um indício de que a Volkswagen volta a apostar nos esportivos nacionais. E parece que ela não é a única.

Sonho de consumo

Esportivos sempre povoaram o imaginário dos aficionados por carros. A adoração sempre foi grande no Brasil, mas a proibição das importações nos deixavam sem muitas opções. Restavam duas alternativas para quem quisesse algo mais empolgante: comprar um veículo fora-de-série ou um esportivo nacional.

Gol GTi surgiu no Salão de SP ao lado do então inédito Polo GTS - Divulgação
Gol GTi surgiu no Salão de SP ao lado do então inédito Polo GTS
Imagem: Divulgação

Muita gente escolhia a segunda proposta. Daí explica-se o sucesso de ícones da nossa indústria, como Volkswagen Gol GTi, Ford Escort XR3, Fiat Uno Turbo e Chevrolet Kadett GSi.

É claro que a abertura do mercado brasileiro para importações foi positiva para os consumidores, que enfim puderam comprar carros mais modernos e refinados. As montadoras também se beneficiaram, mas em contrapartida viram as vendas dos esportivos minguarem até a hora em que concluíram que ninguém mais pagaria (caro) por este tipo de carro. Será mesmo?

Escort XR3 foi um dos sonhos de uma geração inteira de brasileiros - Divulgação
Escort XR3 foi um dos sonhos de uma geração inteira de brasileiros
Imagem: Divulgação

Aparentemente a resposta veio muito tempo depois da queda dos esportivos. É claro que eles não vão vender feito água, até porque isso nunca aconteceu. Porém, existe espaço para este mercado de nicho tão peculiar.

Passado e presente

Uma das poucas fabricantes que investiram pesado no segmento de vez foi a Fiat.

Ok, a gente sabe que ultimamente os italianos lançam mais versões com apelo do que desempenho de esportivo propriamente dito. Só que quem já fez Uno Turbo e Punto T-Jet merece respeito.

Punto T-Jet fez a alegria de muita gente com seus 152 cv - Divulgação
Punto T-Jet fez a alegria de muita gente com seus 152 cv
Imagem: Divulgação

Os lançamentos ficaram cada vez mais raros até 2015, quando a Renault fez uma aposta ousada - e com apoio da matriz. E que respaldo: assim nascia o Sandero R.S, o primeiro projeto da Renault Sport feito fora da França.

A receita era a mais tradicional possível: pegar um pacato popular e enfiar um motor de cilindrada bem maior do que o original. O escolhido foi o 2.0 16V do Duster. Sem turbo nem nenhuma das tecnologias tão populares atualmente. Com 145 cv, o Sandero R.S diverte qualquer um e nem cobra tão caro por isso.

Sandero R.S estreou em 2015 e ainda é um dos melhores esportivos nacionais - Marcos Camargo/UOL
Sandero R.S estreou em 2015 e ainda é um dos melhores esportivos nacionais
Imagem: Marcos Camargo/UOL

No ano seguinte outra marca francesa investiu no segmento de esportivos. O Peugeot 208 GT trazia um visual sedutor aliado ao motor 1.6 turboflex de 173 cv e câmbio manual de seis marchas. Porém, o preço salgado atrapalhou um pouco os planos da fabricante, que descontinuou o modelo neste ano.

Peugeot 208 GT tinha design atraente e motor turbo, mas não vendeu bem - Divulgação
Peugeot 208 GT tinha design atraente e motor turbo, mas não vendeu bem
Imagem: Divulgação

Agora é a vez da Volkswagen jogar suas fichas apoiada no carisma da mítica sigla GTS. Equipados com o motor 1.4 TSI de 150 cv, Polo e Virtus serão lançados em janeiro de 2020. Preços ainda não foram anunciados.

Ainda é cedo para dizer se os modelos citados acima serão responsáveis por abrir uma nova leva de esportivos nacionais. Por enquanto, vale a pena aplaudir as iniciativas e torcer para que as montadoras voltem seus olhos para este segmento. A gente agradece.

Notícias