Topo

Dólar alto deveria ajudar exportação, mas está atrapalhando, diz associação

José Augusto Castro, presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior do Brasil AEB - Erik Barros Pintos/AEB
José Augusto Castro, presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior do Brasil AEB Imagem: Erik Barros Pintos/AEB
do UOL

João José Oliveira

do UOL, em São Paulo

30/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Dólar alto em geral é bom para exportações, porque empresas do exterior compram mais produtos com o real fraco
  • Mas o presidente de associação de exportadores e importadores diz que o dólar instável dificulta negócios na prática
  • Declaração do ministro da Economia provocou especulação com dólar, afirma presidente
  • Ele prevê que dólar deve voltar ao nível de R$ 4,10

Dólar alto e batendo recordes, como aconteceu nesta semana, é bom para as exportações, porque as empresas do exterior podem vir aqui com moeda estrangeira e comprar mais produtos brasileiros. Esse é o senso comum. Mas os exportadores não estão felizes e dizem estar vendendo menos para o exterior.

A instabilidade do câmbio pode mais atrapalhar do que ajudar os empresários brasileiros a colocarem produtos no mercado internacional. É o que afirma o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, entidade que representa o segmento empresarial de exportação e importação de mercadorias e serviços há meio século.

"A verdade é que esse câmbio mais atrapalha que ajuda o exportador, especialmente o de manufatura", afirmou Castro. Segundo ele, as oscilações do dólar dificultam o fechamento de negócios porque fica mais difícil encontrar um preço de equilíbrio que agrade importador e exportador. Ele acredita que houve especulação com o dólar a partir de declarações do ministro Paulo Guedes (Economia), mas a moeda deve recuar para o nível de R$ 4,10.

As vendas de produtos brasileiros para o exterior neste ano somam até outubro US$ 185,5 bilhões, uma queda de 6,8% em relação ao mesmo período de 2018. Castro afirma que a situação só deve começar a melhorar em 2021.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista:

UOL - Como o setor do comércio exterior analisa esse momento do câmbio? Como algo passageiro ou parte de uma tendência estrutural?

José Augusto de Castro - Essa faixa de câmbio não foi programada, mas surgiu por especulação e fatores internos. Então, vemos como uma resposta dos agentes de mercado ao que disse o ministro da Economia, Paulo Guedes [que o dólar poderia subir ainda mais]. Por isso mesmo, não vejo muito espaço para subir muito mais. O dólar deve voltar a um patamar na casa de R$ 4,10.

A atuação do Banco Central tem sido a mais adequada?

O BC tem atuado corretamente, pois o papel é evitar volatilidade exagerada, com uma taxa de câmbio com expectativa futura muito mais elevada provocada por uma onda de especulação.

O setor do comércio exterior vê esse movimento com apreensão por causa da forte volatilidade, ou com esperança de que esse câmbio será favorável a uma maior abertura da economia do país para o setor exportador?

A verdade é que esse câmbio mais atrapalha que ajuda o exportador, especialmente o de manufatura. O que acontece é que os importadores veem o que está acontecendo aqui, acham que o exportador está ganhando mais e já pedem desconto, porque acham que o exportador tem mais margem para negociar.

Além disso, na prática, quando o exportador vai negociar uma venda, ele tem que usar uma taxa de câmbio conservadora porque ele tem que saber o que vai ocorrer com o câmbio daqui a alguns anos, e não amanhã.

Quais segmentos da atividade econômica estão sendo mais e menos afetados ou beneficiados?

O exportador de manufatura não tem sido beneficiado. Quem exporta muitas vezes tem que importar insumos, como forma de reduzir custos. Para quem exporta para a Argentina, o câmbio favorável também não muda nada. Isso porque a Argentina está em crise e está importando apenas o básico. Pela primeira vez em anos, devemos ter déficit com a Argentina.

Já no caso do setor de commodities, o dólar alto é favorável e há sim um ganho. Isso porque o preço das commodities é definido no mercado internacional, em dólar. Como esse setor no Brasil é competitivo em relação aos outros produtores mundiais, ele sempre terá preços competitivos.

Qual o cenário que o setor traça para os próximos meses?

Os dados do comércio exterior pioraram e vão piorar mais. Isso por causa da queda das exportações de minério, de petróleo, do fim da safra de soja, com peste suína na China, que está importando menos grãos para alimentar os porcos. Isso tudo deve prevalecer em 2020. Minha expectativa é que em 2021 a gente veja o ano da virada em manufatura.

Por quê?

Primeiro por causa das reformas, que vão melhorar a competitividade do exportador brasileiro, reduzindo custos. Teremos já os primeiros reflexos da reforma trabalhista, e, depois, a reforma tributária.

Teremos ainda as concessões que vão atrair investimentos para o setor de infraestrutura e reduzir custos de logística. Tudo isso vai se transformar em aspectos positivos.

Como o setor do comércio exterior tem se posicionado para ser mais competitivo, independentemente do câmbio?

A verdade é que competitividade não depende de câmbio, mas de outros fatores que aumentem a produtividade.

Quais fatores então são importantes?

Burocracia, por ordem de importância, tem que diminuir. Por isso, apostamos em medidas como o Portal Único de Comércio Exterior, que dará um ganho enorme de competitividade. O portal vai mostrar quem na cadeia é eficiente e ineficiente e acabar com o jogo de empurra. Isso pode reduzir em pelo menos 50% dos prazos de desembaraço da importação, com reflexos na exportação, por exemplo. Também apostamos na melhora dos setores aeroportuário e ferroviário.

Plataforma digital que reúne em um só ambiente todos os participantes envolvidos nos processos relacionados ao comercio exterior, como exportadores, importadores e órgãos do governo que atuam nessa área, como Receita Federal, além de prestadores de serviços, como despachantes e operadores de logística. Também apresenta manuais, legislação e instruções para atender a todos que estão fazendo negócios.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Notícias