Topo

Bolivianos fazem fila por comida enquanto protestos fecham estradas

Os apoiadores do ex-presidente boliviano Evo Morales lamentam a morte de um homem que eles dizem ter sido morto pelas forças de segurança, em Sacaba, perto de Cochabamba - MARCO BELLO/REUTERS
Os apoiadores do ex-presidente boliviano Evo Morales lamentam a morte de um homem que eles dizem ter sido morto pelas forças de segurança, em Sacaba, perto de Cochabamba Imagem: MARCO BELLO/REUTERS

Daniel Ramos

Em La Paz

17/11/2019 12h13

Resumo da notícia

  • Bolivianos enfrentaram longas filas nas ruas de La Paz
  • Ele buscam frango, ovos e combustível
  • Enquanto isso, apoiadores de Evo Morales bloqueiam estradas do país
  • Medida isola centros populacionais de fazendas

Bolivianos enfrentaram longas filas nas ruas de La Paz neste domingo em busca de frango, ovos e combustível, enquanto apoiadores do presidente deposto Evo Morales continuam bloqueando estradas do país, isolando centros populacionais de fazendas em terras mais baixas.

Autoridades disseram que um avião militar Hercules aterrissou na capital La Paz, no sábado, cheio de produtos de carne, contornando as barricadas nas estradas nas saídas da cidade.

O ministro da Presidência, Jerjes Justiniano, disse a repórteres que o governo estabeleceu uma "ponte aérea" para La Paz. Disse que autoridades esperam fazer o mesmo com outras grandes cidades bolivianas que foram isoladas de suprimentos.

A nação andina entrou em crise após as eleições de 20 de outubro. O então presidente Morales, que venceu o pleito, renunciou no domingo da semana passada, depois que a auditoria da Organização dos Estados Americanos revelou evidências de fraude eleitoral. Ele se asilou no México.

Devido aos bloqueios nas estradas bolivianas que acontecem desde o início do mês, La Paz sofre com o desabastecimento de alimentos e combustível  - Bruno Santos/ Folhapress
Devido aos bloqueios nas estradas bolivianas que acontecem desde o início do mês, La Paz sofre com o desabastecimento de alimentos e combustível
Imagem: Bruno Santos/ Folhapress
Apoiadores de Morales foram às ruas pouco depois, alguns armados com bazucas caseiras, pistolas e granadas, bloqueando ruas e entrando em conflito com forças de segurança.

Enquanto a violência piorava, muitos nas regiões mais pobres de La Paz passaram a cozinhar com lenha, e formaram longas filas por gás liquefeito, latas e pouca comida.

"Espero que as coisas se acalmem", disse Josué Pillco, funcionário da construção civil em um bairro operário de La Paz. "Não temos comida ou combustível."

Bolívia vai sair da Alba e da Unasul

Band News

Notícias