Topo

Líder de invasão a embaixada se reuniu duas vezes com Mourão no Planalto

Tomás Silva, líder da invasão à Embaixada da Venezuela em Brasília - Reprodução/Facebook
Tomás Silva, líder da invasão à Embaixada da Venezuela em Brasília Imagem: Reprodução/Facebook
do UOL

Constança Rezende e Jamil Chade

Do UOL, em Brasília, e colaboração para o UOL, em Genebra (Suíça)

14/11/2019 18h45Atualizada em 17/11/2019 16h41

Resumo da notícia

  • Agenda do Planalto confirma dois encontros entre Mourão e o invasor
  • Tomás Silva se autoproclama ministro-conselheiro da embaixada no DF
  • Procurada, a Vice-Presidência não respondeu a reportagem do UOL

Líder da invasão de ontem à Embaixada da Venezuela, o autoproclamado ministro-conselheiro Tomás Silva esteve por duas vezes em reuniões no Palácio do Planalto durante o governo de Jair Bolsonaro. Em ambas ocasiões, as reuniões foram com o vice-presidente Hamilton Mourão, nos dias 15 de abril e 24 de julho deste ano.

O assunto tratado nas reuniões foi "a situação da Venezuela", disse o vice-presidente ao UOL.

No início do ano, o Brasil esteve entre os primeiros países a reconhecer Juan Guaidó como presidente da Venezuela.

Desde então, o governo credenciou uma embaixadora do venezuelano e até mesmo abriu espaço em sua delegação na Assembleia Geral da ONU para membros da oposição ao governo de Nicolas Maduro. O ato é considerado raro na diplomacia internacional.

Na agenda da reunião mais recente, consta que Mourão recebeu o diplomata como o "enviado especial para assuntos de Direitos Humanos do Presidente Juan Guido (sic)".

Reuniões tiveram presença da embaixadora de Guaidó

Também participou do encontro Maria Teresa Belandria, nomeada embaixadora da Venezuela no Brasil por Juan Guaidó. A reunião, marcada para durar meia hora, foi realizada no próprio gabinete da Vice-Presidência do Palácio do Planalto.

A reunião do invasor com Mourão em abril também foi realizada junto com Maria Teresa. Desta vez, Tomas Silva foi chamado de "enviado especial do Presidente Juan Guaidó". O encontro também levou meia hora e, uma vez mais, foi realizado no gabinete da Vice-Presidência, no Palácio do Planalto.

O chefe de gabinete adjunto da Vice-Presidência da República, Álvaro Gonçalves Wanderley, também participou da reunião do dia 24 de julho, assim como o chefe da assessoria diplomática, Juliano Nascimento. Este último também participou da reunião do dia 15 de abril.

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República informou nesta quarta que o presidente, Jair Bolsonaro, jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da embaixada em Brasília.

Silva transmitiu via Facebook após invasão de embaixada, e Eduardo Bolsonaro compartilhou - Reprodução/Facebook
Silva transmitiu via Facebook após invasão de embaixada, e Eduardo Bolsonaro compartilhou
Imagem: Reprodução/Facebook

Vídeo no Facebook

Silva é tido como "o número dois" da embaixadora María Teresa e, assim que a invasão começou, gravou um vídeo em que se apresenta como líder da iniciativa.

No vídeo, Silva diz que os funcionários da embaixada "reconheceram" Juan Guaidó como presidente legítimo e "entregaram" a residência e escritório. "A dignidade volta", declarou. Sua fala, porém, foi desmentida instantes depois pelo governo da Venezuela.

O vídeo foi compartilhado pelo deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente. "Bem tranquilo diplomata Tomás Silva manda recado após entrar na embaixada da Venezuela no Brasil", escreveu o deputado, que é ainda o presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

Apoiadores de Guaidó ocupam embaixada da Venezuela

Band Notí­cias

Indignação com Eduardo Bolsonaro no Itamaraty

A declarações de Eduardo Bolsonaro deixaram uma parcela do Itamaraty indignada, temendo pela segurança dos diplomatas brasileiros em Caracas.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, funcionários da embaixada do Brasil na Venezuela foram instruídos a trabalhar de casa e mantendo as portas fechadas, temendo uma retaliação. Todos os postos do Brasil no país vizinho foram fechados temporariamente.

Silva, segundo fontes que estiveram dentro da embaixada, esteve até o final na invasão do local. E só saiu depois de uma negociação com o Itamaraty. Ele os demais se retiraram pelas portas do fundo. Ninguém foi punido pelo ato e não houve o anúncio de uma investigação.

Em um certo momento, Silva teria solicitado a autorização para que mulheres que faziam parte do grupo pudessem sair do local para comer um lanche do McDonalds. Elas, porém, optaram por não sair da embaixada e não comer. Momentos depois, uma delas acabou tendo um mal-estar e foi atendida, graças aos funcionários da embaixada.

Chamou ainda a atenção de diplomatas mais experientes no Itamaraty o fato de o governo ter enviado para a embaixada apenas um funcionário de segundo escalão, sem patente de embaixador. Ele é o chefe da divisão que cuida de privilégios e imunidade de missões estrangeiras no Brasil. Mas a percepção interna era de que o caso envolvia uma questão política.

Notícias