Topo

PSL diz que ainda não recebeu pedidos de desfiliação de Bolsonaro e Flávio

Decisão de deixar o PSL foi anunciada após reunião entre Bolsonaro e integrantes da legenda; Flávio também confirmou sua saída - Sergio Lima/AFP
Decisão de deixar o PSL foi anunciada após reunião entre Bolsonaro e integrantes da legenda; Flávio também confirmou sua saída Imagem: Sergio Lima/AFP
do UOL

do UOL, em São Paulo

13/11/2019 19h23

O PSL informou nesta quarta-feira (13) que até o momento não recebeu os pedidos de desfiliação do presidente Jair Bolsonaro e de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro. A decisão de deixar o partido foi anunciada ontem (12), após uma reunião entre o presidente e integrantes da legenda.

Em nota pública divulgada em seu site oficial, o PSL reiterou que "segue à risca a legalidade, a lei eleitoral e a Constituição", e que continua comprometido com o liberalismo econômico e o conservadorismo nos costumes, valores que levaram à eleição de Bolsonaro, três governadores, quatro senadores e a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados no ano passado.

O partido ainda afirmou que, ao longo deste primeiro ano de Bolsonaro como presidente, se manteve fiel às pautas propostas pelo Executivo, como a reforma da Previdência, já promulgada, e as reformas tributária, administrativa, o pacto federativo e o chamado pacote anticrime do ministro Sergio Moro.

A legenda garante que "não cederá a nenhum tipo de achaque ou desvirtuamento da legalidade ou da moralidade por quem quer que seja" e lembrou que, no sistema proporcional, de acordo com decisão de 2007 do STF (Supremo Tribunal Federal), o mandato pertence à sigla, e não à pessoa.

Por fim, o futuro ex-partido do presidente disse acreditar em instituições fortes e que projetos "personalistas e familiares" soam pouco republicanos. "Ficam os votos de boa sorte àqueles que queiram acompanhar o presidente da República e seu filho. Nossa missão é com o povo brasileiro", concluiu.

Notícias