Topo

Maduro convoca militares bolivianos a restituir Evo Morales

28.jul.2019 - Líder venezuelano, Nicolás Maduro, em discurso durante o Foro de São Paulo no Palácio Presidencial de Miraflores em Caracas - Federico Parra/AFP
28.jul.2019 - Líder venezuelano, Nicolás Maduro, em discurso durante o Foro de São Paulo no Palácio Presidencial de Miraflores em Caracas Imagem: Federico Parra/AFP

Caracas (Venezuela)

12/11/2019 20h24

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, convocou hoje os militares da Bolívia a recolocar Evo Morales na presidência, após sua renúncia e asilo no México, em meio a uma onda de protestos.

"Tudo isto pode provocar uma guerra civil (...). Faço um apelo ao Alto Comando militar da Bolivia: Tenham consciência do que estão fazendo (...). Seu comandante, por ordem constitucional e voto do povo, se chama Evo Morales Ayma e devem restituí-lo no poder", disse Maduro durante um ato em Caracas para apoiar o líder boliviano.

"Não reprimam o povo. Não assassinem o povo", declarou o governante venezuelano.

Maduro disse ter conversado com Morales, um de seus maiores aliados, após sua chegada ao México nesta terça-feira. "Assim que pude, telefonei para ele (...). Me disse: 'Maduro, dê uma saudação ao povo da Venezuela, diga que estou firme e que regressarei à Bolívia (...).

Evo Morales renunciou após três semanas de protestos contra sua questionada reeleição, mas Maduro afirmou que partiu "com uma pistola na cabeça, ameaçado de morte".

"É ilegal uma renúncia de um presidente por meio de coação, da ameaça militar, e foi assim na Bolívia".

Maduro agradeceu o governo do México por receber Morales: "Obrigado, presidente (Andrés Manuel) López Obrador, que salvou a vida do nosso irmão Evo Morales (...). Já haviam dado a ordem para matar Evo".

Notícias