Topo

Ciro: Lula não tem nada de inocente, é inconfiável e tenta enganar o povo

Ciro Gomes (PDT) - Kleyton Amorim/UOL
Ciro Gomes (PDT) Imagem: Kleyton Amorim/UOL
do UOL

Do UOL, em São Paulo

11/11/2019 19h50Atualizada em 12/11/2019 09h44

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) afirmou hoje em entrevista ao Globo que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva "não aprendeu rigorosamente nada" ao se colocar como candidato após sair da prisão e que estaria tentando enganar a população "com a presunção de que o povo é ignorante, é idiota".

Para o pedetista, Lula "não tem nada de inocente", já que ele que escolheu Dilma Rousseff, Michel Temer, deu poder a Eduardo Cunha, nomeou Geddel Vieira Lima e loteou a Petrobras e o Banco do Brasil.

"O Lula não saiu da cadeia inocente, nem inocentado pelos tribunais como eles estão, de novo, enganando e explorando a boa fé da população brasileira. O Lula foi devolvido às ruas porque está pendente um conjunto de recursos", disse Ciro. "Ele tem direito de aguardar em liberdade como qualquer outro cidadão. Aí o Lula sai imediatamente demonstrando que não aprendeu rigorosamente nada, sai o mesmo: candidato sem poder ser."

O ex-ministro completou: "Sempre com a presunção de que o povo é ignorante, que o povo é idiota, que cabe manipular, mentir, enganar porque o que importa é o projeto de poder. Agora, vai se repetir como tragédia, se persistir nesse caminho."

Ciro ainda explicou por que não rompeu com Lula antes, em 2014, ao ver todas as decisões citadas por ele como erradas. "Eu me afastei. Numa eleição majoritária, a gente vale pelo que é e pelo que nega. E o quadro brasileiro, era nós ou Aécio [Neves, candidato do PSDB a presidente em 2014]."

"Evidentemente, eu não tenho arrependimento, mas fui engolindo, engolindo até o limite. Não aceitei mais ser ministro a partir do segundo mandato [do Lula], não aceitei ser ministro da Dilma. Me afastei, e não vou votar do outro lado, obviamente. Agora, vou ajudar a construir um outro caminho", completou Ciro.

Por fim, o principal nome do PDT ainda disse que o petista é "inconfiável" e foi questionado se Lula já o procurou desde que saiu da prisão.

"Ele virou esse camarada inconfiável. Agora, [ele] quer aparecer como se não fosse o polo catalisador da hostilidade. Ele agora é generoso, que não tem ódio no coração, e, quando vai falar, o ódio sai pela boca, pelos olhos, furibundo contra todo mundo", analisou.

"Só tem explicação: ele aposta sistematicamente que o nosso povo é idiota, que é incapaz de entender as coisas até contra as evidências. Constrangedoramente, o Bolsonaro está pagando a menor taxa de juros da história da Selic e o Lula pagou as maiores."

Notícias