Topo

Bolsonaro: "Não dê munição ao canalha"

09/11/2019 13h02

Em postagem no Twitter, presidente Jair Bolsonaro fala sobre a soltura de Lula, sem mencionar diretamente o nome do ex-presidente, e elogia Ministro da Justiça, Sergio Moro, em vídeo de discurso.Em postagem no Twitter, presidente Jair Bolsonaro fala sobre a soltura de Lula, sem mencionar diretamente o nome do ex-presidente, e elogia Ministro da Justiça, Sergio Moro, em vídeo de discurso.

Depois do silêncio inicial sobre a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente Jair Bolsonaro se dirigiu aos seus apoiadores, neste sábado (09/11), através de postagem no Twitter.

"Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa", escreveu Bolsonaro em seu post, no dia seguinte à libertação do ex-presidente, mas sem mencionar diretamente o nome de Lula.

"Não podemos cometer erros. Sem um norte e um comando, mesmo a melhor tropa se torna num bando que atira para todos os lados, inclusive nos amigos", acrescentou o presidente brasileiro.

Em outra mensagem publicada poucos minutos depois, Bolsonaro afirma que o país iniciou "há poucos meses a nova fase de recuperação" e que este "não é um processo rápido".

"Mas avançamos com fatos. Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa", repetiu Bolsonaro.





Pouco antes das 18h da sexta-feira, Lula deixou a sede da Superintendência da Polícia Federal no Paraná, em Curitiba, onde passou um ano e sete meses preso. A saída de Lula ocorreu após uma decisão do juiz federal Danilo Pereira Jr, da 12ª Vara Federal de Curitiba, que atendeu a um pedido da defesa.

Essa medida veio um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar, por seis votos a cinco, a possibilidade de um condenado começar a cumprir pena antes de esgotados todos os recursos. Na manhã desta sexta-feira, a defesa do ex-presidente apresentou um pedido de soltura com base no novo entendimento do Supremo.

A decisão do Supremo beneficiou diretamente Lula, que cumpria pena no âmbito da condenação por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo o tríplex no Guarujá. A sentença de Lula já foi confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo fixada em oito anos, dez meses e vinte dias, mas o presidente ainda tem recursos pendentes tanto neste tribunal quanto no STF.

Num vídeo também publicado hoje na sua conta no Twitter, na manhã deste sábado, agradece e elogia Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e ex-juiz que condenou Lula quando julgava os casos da operação Lava Jato.

"Em parte, o que acontece na política do Brasil devemos a Sérgio Moro", afirma Bolsonaro no vídeo, onde recorda que convidou o ex-juiz para ministro "inclusivamente depois de um incidente no aeroporto" entre os dois, explicando ter-se tratado de uma situação para "não atrapalhar o bom serviço que ele vinha executando".

Moro, acrescenta Bolsonaro no vídeo, "não podia se aproximar de políticos, não podia ter um partido como não teve e não tinha".

"Ele está cumprindo sua missão. Se a missão dele não fosse bem cumprida, eu também não estaria aqui", diz o presidente no vídeo.

Nesse contexto, o presidente referiu também que teve "a grande satisfação de ser eleito" e "ser talvez o único que está cumprindo" o que prometeu durante a campanha, recordando que escolheu "uma boa equipe de 22 ministros" para estarem ao seu lado.

CA/lusa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter

Notícias