Topo

Título mais seguro da América Latina agora é bem menos estável

Getty Images
Imagem: Getty Images

Aline Oyamada

Da Bloomberg

08/11/2019 14h52

Uma onda de protestos transformou o melhor crédito da América Latina no de pior desempenho dos mercados emergentes este mês. E pode ser apenas o início de um período mais longo de volatilidade.

Os títulos de dívida denominados em dólares do Chile passaram a cair mais este mês, diante do impacto cada vez mais evidente das três semanas de protestos e motins que assolam o país. O investimento está estagnado, lojas foram fechadas e turistas estão evitando o país em meio à maior turbulência social desde o retorno da democracia no país em 1990.

Os títulos em dólar com vencimento em 2050 e 2047 registraram o primeiro e o terceiro pior retorno entre todos os 74 mercados emergentes e de fronteira dentro do índice Bloomberg Barclays Emerging Markets Sovereign. Os títulos chilenos acumulam baixa de 3,1% nos primeiros sete dias do mês, enquanto o índice de referência mostra queda de 0,3%.

O cenário político e econômico do Chile virou de cabeça para baixo diante da inesperada revolta social. Vinte pessoas morreram e mais de 25% dos supermercados do país foram vandalizados, saqueados ou queimados. Um choque para o sistema de um país considerado o mais estável e bem administrado da América Latina.

"Os mercados chilenos, a economia e o sistema político-social passam por uma mudança de regime", afirmou Arthur Budaghyan, estrategista-chefe de mercados emergentes da BCA Research, em Montreal. "Como investidores, temos que estar abertos à ideia de que isso implicará em novas macropolíticas, que serão mais populistas."

Ainda assim, o risco de crédito do país é o mais baixo da região, e está entre os menores dos mercados emergentes. O custo de hedge contra um default da dívida chilena nos próximos cinco anos corresponde à metade para o México e a um terço do valor para o Brasil.

Custos maiores

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou uma agenda social no valor de US$ 1,2 bilhão, incluindo um salário mínimo de 350 mil pesos (US$ 470) que vai beneficiar mais de meio milhão de pessoas, numa tentativa de acabar com os distúrbios.

"Esse choque vai deteriorar a atividade econômica e o investimento", afirmou Felipe Labbe, economista do Deutsche Bank, em Nova York. "Subsídios e reformas necessárias incluídas na recente agenda social impactarão a posição fiscal e criarão mais déficit."

O ministro da Fazenda, Ignacio Briones, reduziu a previsão de crescimento para cerca de 2% em 2019 em relação aos 2,6% previstos pelo governo em setembro. Ele estima o custo direto dos protestos entre US$ 2 bilhões e US$ 3 bilhões.

Com a continuidade dos protestos e a pressão sobre Piñera, Budaghyan acredita que os ativos chilenos devam mostrar desempenho inferior ao mercado por seis meses a um ano. O estrategista da BCA recomenda uma posição vendida em peso em relação ao dólar americano e reduzir a alocação em ações chilenas de overweight para neutra.

Impacto no mercado

Quinn Markwith, economista da Capital Economics, diz que há uma boa chance de que os protestos levem o PIB do Chile a encolher no quarto trimestre.

O índice IPSA da bolsa chilena acumula queda de 10% desde que os distúrbios começaram em 18 de outubro. O índice atingiu a menor pontuação em dois anos e meio na quarta-feira.

O desempenho do peso não é muito melhor. A moeda mostrou o pior desempenho entre 24 moedas de mercados emergentes em outubro, atrás do peso argentino, tendo caído para o menor nível em 16 anos na terça-feira.

Até os títulos externos, que mostravam maior resistência, começaram a cair este mês diante da maior cautela de investidores estrangeiros. Os spreads dos títulos em dólar do Chile aumentaram na semana passada, depois de terem encolhido no início do ano.

Notícias