Topo

Lula diz que deixa prisão 'mais à esquerda' e marca 'pelada' com MST

7.nov.2019 - Manifestantes simpatizantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protestam diante do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
7.nov.2019 - Manifestantes simpatizantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protestam diante do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
do UOL

Vinicius Konchinski

Colaboração para o UOL, em Curitiba

07/11/2019 21h35Atualizada em 07/11/2019 21h45

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou hoje, horas antes de o STF (Supremo Tribunal Federal) declarar inconstitucional a prisão após condenação em segunda instância, que saíra da prisão "mais à esquerda" do que entrou.

Ele, um dos mais famosos beneficiados pela decisão da Corte, disse nesta tarde que fará "um grande pronunciamento à nação" assim que for libertado e planeja uma partida de futebol com membros do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra) no próximo dia 21 em Guararema (SP).

O ex-presidente conversou sobre seus planos para a etapa fora da Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba, onde está desde abril de 2018, na visita que recebeu nesta tarde.

Ele recebeu a presidente do PT (Partido dos Trabalhadores), Gleisi Hoffmann; o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto e o coordenador nacional do MST, João Paulo Rodrigues.

"Tire essa foto porque vai ser a última aqui", disse Gleisi ao deixar a PF por volta das 18h a fotógrafos que registravam sua visita.

Naquela hora, o Supremo ainda julgava a legalidade das prisões em 2ª instância, mas os aliados de Lula já mostravam confiança num resultado positivo para o ex-presidente.

"Ele [Lula] disse: 'avise lá os sem-terra que eu vou sair mais à esquerda que entrei. Vou sair fazendo luta'", relatou o coordenador do MST. "Ele [Lula] disse que, ao sair, quer preparar um grande pronunciamento à nação e discutir os desafios que o Brasil enfrenta. Falou muito da grande luta contra o neoliberalismo."

Rodrigues, Gleisi e Okamotto estiveram com Lula por cerca de uma hora. Disseram que Lula não quis falar só sobre o julgamento do STF e sua libertação para não criar expectativas. Revelou, entretanto, que estava um pouco ansioso com a possibilidade de soltura iminente.

Passagem pela vigília e ato em São Paulo

Até o fim do julgamento no STF, a militância que acompanha Lula em Curitiba não tinha clareza sobre como e quando o ex-presidente deixaria a prisão. A expectativa é que ele receba nesta sexta-feira a visita de seu advogado Cristiano Zanin para definir a estratégia jurídica de sua soltura.

A organização da vigília não pretende organizar um grande ato para saída do ex-presidente para resguardar sua segurança e garantir que ele possa conversar com os militantes que estão em Curitiba há quase 580 dias.

Segundo os militantes, o grande ato relacionado à liberdade de Lula deve ser realizado em São Bernardo do Campo (SP), na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, entidade à qual o ex-presidente é historicamente ligado. Os planos desse ato, contudo, ainda são preliminares.

Lula na oposição

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que a liberdade de Lula dará à oposição "um salto de qualidade". "Lula é a principal liderança popular do país. Queremos ele andando pelo Brasil."

Essas andanças, segundo Gleisi, não estão completamente definidas, mas ocorrerão. Servirão, inclusive, para reforçar os pedidos da defesa do ex-presidente para que o pedido de suspeição do ex-juiz Sergio Moro seja julgada no STF visando à declaração da inocência plena de Lula.

"Lula já fez muito em busca de sua inocência daqui [da prisão em Curitiba]", afirmou Gleisi. "Vai continuar lutando pela sua inocência plena, que sempre foi sua prioridade."

Condenação

Lula foi condenado por Moro em julho de 2017 por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá. A condenação foi confirmada pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª região) em janeiro de 2018 e, depois, pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) em abril deste ano.

O ex-presidente foi preso em abril de 2018. Desde então, Lula ocupa uma cela especial na PF de Curitiba. Ele estava lá, sozinho, quando o STF concluiu o julgamento sobre as prisões em 2ª instância.

Notícias