Topo

Líder da oposição boliviana busca encurralar Morales, bispos pedem diálogo

07/11/2019 21h16

La Paz, 8 Nov 2019 (AFP) - O líder da oposição boliviana, Luis Fernando Camacho, tentou encurralar o presidente Evo Morales, ao insistir nesta quinta-feira (5) em entregar pessoalmente uma carta de renúncia ao dirigente, enquanto os protestos no país estavam aumentando.

"Não vamos desistir até que possamos entregar a carta" nas mãos de Morales, disse Camacho à imprensa em La Paz, um dia depois de chegar de Santa Cruz, sua cidade de origem, a mais rica da Bolívia e reduto da oposição.

Em uma assembleia de plantadores de coca da região dos Yungas, Camacho disse que a carta "já não é apenas de Santa Cruz, mas de toda a Bolívia", pois o propósito é "incluir todos os setores (sindicatos e plataformas civis) até amanhã" para entregar o documento a Morales provavelmente na segunda-feira.

Paralelamente, os pedidos de diálogo se multiplicavam nesta quinta-feira, após violentos confrontos entre partidários e opositores de Morales, no poder desde 2006 e reeleito para um quarto mandato nas disputadas eleições de 20 de outubro.

Os bispos bolivianos iniciaram negociações preliminares com as autoridades para estabelecer um diálogo. "Já entramos em contato com o governo (...) estamos aguardando a resposta", afirmou o arcebispo de Sucre (sul), Jesús Juárez.

Coincidindo com a chegada de Camacho a La Paz, os protestos na Bolívia pioraram: uma pessoa morreu e dezenas ficaram feridas na cidade de Cochabamba (centro).

Desde o início dos protestos contra a reeleição de Morales, há mais de duas semanas, três pessoas morreram e outras 200 ficaram feridas.

O ex-presidente Carlos Mesa (2003-2005), segundo colocado no pleito, culpou os simpatizantes de Morales pela violência em Cochabamba.

- Prefeita agredida e humilhada -Além disso, a prefeita de Vinto, cidade vizinha a Cochabamba, Patricia Arce (ligada a Morales), foi agredida por um grupo de manifestantes na quarta-feira, um ato que foi reprovado dentro e fora do país por parte de setores do governo e da ONU.

Os manifestantes bateram na prefeita, cortaram seu cabelo, jogaram tinta vermelha em sua cabeça e a obrigaram a caminhar descalça pelas ruas da cidade.

Os agressores colocaram ainda uma faca no pescoço de Arce e exigiram que ela renegasse seus ideais políticos, mas a prefeita afirmou que preferia morrer. Em seguida, foi resgatada pela polícia. Os agressores ainda incendiaram a sede da Prefeitura.

"As Nações Unidas deploram a violência e o tratamento desumano da prefeito do município de Vinto, bem como os ataques contra outras mulheres, homens, jovens, meninas e meninos", informou o escritório local da organização.

- Pedido de diálogo -A Bolívia está mergulhada no radicalismo após a polêmica eleição que garantiu no primeiro turno o quarto mandato de Morales.

O presidente reeleito não dá atenção às reclamações dos opositores que o acusam de tentar ganhar tempo para seguir no poder depois de aceitar uma auditoria eleitoral questionada da Organização dos Estados Americanos (OEA).

A oposição exige sua renúncia, a anulação das eleições e a convocação de um novo pleito sem a sua participação.

Já Morales afirma que todo processo de eleitoral foi limpo e exige que os resultados sejam respeitados.

O ex-presidente boliviano Eduardo Rodríguez-Veltzé (2005-2006) fez um apelo ao diálogo: "Somente paz, tolerância, respeito pela vida e dignidade nos permitirão abrir um diálogo construtivo para garantir a coexistência democrática", escreveu no Twitter.

Aliada do governo, a Central Trabalhista Boliviana (COB, pelas siglas em inglês) também fez um "apelo pela paz a todo o povo boliviano", através de seu principal líder, Juan Carlos Huarachi.

"Há uma via para o diálogo, uma saída institucional, que é o relatório feito pela OEA", disse nesta quinta-feira o vice-presidente boliviano Álvaro García Linera.

O processo de verificação "foi aceito pelos Estados Unidos, pela União Europeia, pelos Países Não Alinhados e pela comunidade internacional", acrescentou.

- A carta e a Bíblia -Camacho tentou chegar a La Paz na terça-feira com a carta de renúncia para Morales, mas ele não conseguiu sair do aeroporto por causa da presença de manifestantes governistas e voltou para Santa Cruz.

Sem revelar dia e hora, esse advogado de 40 anos disse que, juntamente com outros oponentes, levaria a carta a Morales acompanhada de uma Bíblia "para que Deus volte ao palácio" do governo.

A carta "não será deixada em nenhuma janela", disse Camacho, líder do Comitê Cívico de Santa Cruz, que insistiu na rejeição da auditoria eleitoral da OEA.

O ministro da Defesa, Javier Zavaleta, declarou que Camacho "pode entregar as cartas que ele quiser" na sede do governo, mas descartou que Morales a receba.

bur-fj/rsr/lca

Notícias