Topo

Exército tenta reabrir estradas no Líbano, que segue paralisado por protestos

22/10/2019 11h14

BEIRUTE (Reuters) - Forças de segurança tentavam persuadir manifestantes a reabrir estradas de todo o Líbano por meios pacíficos, mas não usarão a força se eles se recusarem, disse uma fonte de segurança nesta terça-feira, enquanto o país continuava paralisado por protestos antigoverno.

Visando apaziguar a revolta contra a elite política e as condições econômicas ruins, o governo liderado pelo primeiro-ministro Saad al-Hariri anunciou uma série de medidas na segunda-feira, incluindo reformas adiadas durante muito tempo que ele disse mirarem a corrupção e o desperdício.

Centenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de todo o Líbano desde a quinta-feira, furiosas com uma classe política que acusam de deixar a economia à beira do colapso.

Bancos e escolas continuaram fechados nesta terça-feira. De manhã cedo, o número de manifestantes no centro de Beirute e na cidade de Trípoli, no norte, parecia menor do que em dias anteriores.

Investidores disseram que os distúrbios mostraram que o país está ficando sem tempo para resolver seus problemas econômicos – o Líbano tem uma das maiores dívidas públicas do mundo.

Os protestos vêm sendo majoritariamente pacíficos desde a noite de sexta-feira, quando alguns manifestantes se chocaram com forças de segurança no centro de Beirute.

Na noite de segunda-feira, também em Beirute, soldados brigaram com jovens em motos que portavam bandeiras dos poderosos movimentos xiitas Hezbollah e Amal. Os dois partidos negaram qualquer envolvimento.

(Por Tom Perry)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias