Topo

Em meio à invasão turca na Síria, jihadistas podem escapar para a Europa

Kersten Knipp (fc)

10/10/2019 15h49

No norte da Síria, onde a Turquia quer estabelecer sua "zona de segurança", há campos e prisões onde jihadistas são mantidos presos. Eles poderiam usar a guerra para escapar dos locais e fugir até mesmo para a Europa.O ministério da Defesa da Turquia anunciou na última segunda-feira (07/10) que os preparativos para a ofensiva no norte da Síria estavam concluídos. Entre as ações, tratava-se da criação da chamada zona de segurança – um passo indispensável, segundo as autoridades, que contribuirá para a "paz e segurança" na região. A ofensiva teve início na quarta-feira.

A zona de segurança se destina a "garantir a própria sobrevivência", afirmou a agência de notícias turca Anadolu citando Hami Aksoy, porta-voz do ministério do Exterior turco. "Assim, será eliminado uma séria ameaça à integridade territorial e à unidade da Síria. Além disso, será criada a base para impedir o regresso de terroristas do 'Estado Islâmico' (EI) e de problemas semelhantes no futuro".

Na zona de segurança, o governo em Ancara quer fixar cerca de dois milhões de refugiados sírios que vivem atualmente na Turquia e, ao mesmo tempo, pretende colocar fim à autonomia curda do norte da Síria.

Mas não há certeza se os planos vão funcionar. Abdel Bari Atwan, editor-chefe do jornal Rai al-youm, contou na segunda-feira que a Turquia estava assumindo quatro riscos principais da invasão.

Para ele, os turcos têm que lidar com um adversário altamente treinado e equipado com armas fornecidas pelos EUA e enfrentam enormes encargos financeiros devido ao realojamento dos refugiados, bem como ao controle e abastecimento dos territórios ocupados.

Além disso, Ancara não podia excluir a possibilidade de que o Exército sírio também iria se envolver nos combates em algum momento; e, por último, o governo do país assumiu a responsabilidade pelos campos de prisioneiros curdos em que se encontravam milhares de combatentes do EI, que, nas nas palavras de Atwan, são "uma bomba-relógio".

A questão como os jihadistas presos poderiam se comportar em caso de uma invasão da Síria também diz respeito à política externa alemã. "Um dos maiores perigos é que os prisioneiros do EI do norte da Síria se dirijam ao Iraque", diz Roderich Kiesewetter, deputado do partido União Democrata Cristã (CDU) e membro da Comissão de Relações Exteriores do Parlamento alemão.

"Isso afeta diretamente os nossos interesses de segurança e não ajuda o país com a estabilização urgentemente necessária", conta Kiesewetter. "Embora a nossa influência sobre a evolução dessa questão seja limitada, estou convencido de que o governo alemão está fazendo tudo o que está ao seu alcance para encontrar uma solução americano-turca para a questão dos prisioneiros."

Além disso, os jihadistas europeus poderiam tentar regressar aos seus países de origem. Na área a ser invadida e em suas proximidades existem três desses campos com combatentes do EI. O maior deles, al-Hol, localiza-se fora da zona de invasão, mas também pode ser afetado pelos combates. "Para se oporem à Turquia, os curdos poderiam decidir retirar alguns dos guardas dos campos", diz Claudia Dantschke, chefe do serviço de assistência de desradicalização "Hayat".

Jihadistas podiam fugir

Dessa forma, não é fácil prever o que aconteceria se houvesse menos guardas presentes nos campos, afirma Dantschke. Além disso, é muito possível que os combates se estendam aos campos, e os detentos poderiam tirar proveito da situação para tentar escapar desses locais e lutar contra os curdos ou, ainda, passar à clandestinidade.

Pode-se supor que as organizações de ajuda não consigam chegar mais aos dois campos menores, Ain Issa e Roj, já que estão localizados na zona de guerra. Dantschke suspeita também que os funcionários dessas organizações dificilmente entrem no campo de al-Hol no caso de uma invasão, já que a segurança seria insuficiente.

Especialmente no campo de al-Hol havia ainda células de mulheres do EI que queriam reviver o califado islâmico no local. "Claro que eles vão usar a chance e se tornar ativos dentro do campo. Poderia ser uma revolta, uma tentativa de fuga ou um ato de sabotagem. Ainda não sabemos", diz Dantschke.

Os prisioneiros chegam aos campos e estão todos na zona de segurança planejada. "Os combatentes masculinos estão presos neles. Entre os prisioneiros estão algumas pessoas de grande importância e que realmente fizeram carreira dentro do EI, mas, que agora, felizmente, estão na prisão."

Dantschke duvida que o governo turco esteja suficientemente preparado para lidar com os combatentes do EI, pois, para eles, há outros tópicos diferentes que têm maior importância. Para eles, estão em primeiro plano os interesses de segurança tendo em vista as milícias curdas e o realojamento dos refugiados sírios que ainda vivem na Turquia. "Esses são os temas dominantes. O tema das famílias que fazem parte do EI não aparece nos meios de comunicação turcos."

Tendo em conta a invasão, está se tornando cada vez mais difícil trazer os prisioneiros detidos nos campos e prisões de volta à Alemanha ou a outros países europeus, sublinha Dantschke, o que seria uma forma de controlar as pessoas. "Na Alemanha, é claro, as autoridades de segurança, bem como os consultores, estão envolvidos. Eles conhecem cada um dos casos."

Em contrapartida, se os prisioneiros escapassem do tumulto da guerra e regressassem sozinhos à Europa, "isso seria um perigo enorme". Isso porque, apesar de o EI ter sido amplamente derrotado militarmente, ele continua espalhando sua ideologia.

"O EI se adapta, consolida e cria condições que levam a uma possível revolta no coração do Iraque e da Síria", afirma um estudo das Nações Unidas publicado em junho de 2019. A este respeito, os campos de prisioneiros nas regiões curdas em que a Turquia quer agora quer invadir são considerados um importante local de recrutamento. As condições precárias são ideais para manter a ideologia do EI viva entre os jihadistas presos e para recrutar novos membros.

Tanto os recém-recrutados como os combatentes mais velhos poderiam agora tentar seguir para a Europa, e isso significaria perder todo o controle sobre eles. Seria diferente, porém, se as autoridades europeias levassem essas pessoas para os seus países de origem.

Entre eles estão pessoas que não romperam com a ideologia do EI, afirma Dantschke. "Nesses casos, o trabalho não será fácil. No entanto, pensamos que podemos trabalhar com eles. Assumimos que eles podem ser reintegrados na sociedade por meio de uma rede estreita."

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter


Autor: Kersten Knipp (fc)

Mais Notícias