Topo

Testemunha diz que PMs mataram mestre de bateria em favela de Copacabana

O mestre de bateria Alexandre Duarte foi morto em uma comunidade de Copacabana - Arquivo Pessoal
O mestre de bateria Alexandre Duarte foi morto em uma comunidade de Copacabana Imagem: Arquivo Pessoal
do UOL

Leonardo Coelho

Colaboração para o UOL, no Rio

09/10/2019 04h00

Uma testemunha relatou com exclusividade ao UOL detalhes da morte de Alexandre Duarte, mestre de bateria da escola de samba Unidos da Villa Rica, morto em 17 de julho na comunidade dos Tabajaras em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, após uma operação policial. Sob condição de anonimato, ela reforçou a versão da família e de outras testemunhas de que Alexandre foi morto por agentes da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) daquela favela e não por bala perdida, conforme defendido por policiais envolvidos.

Segundo a Polícia Militar, o tiroteio começou às 11h30, horário de intenso movimento, quando PMs em patrulhamento na rua Euclides da Rocha, a principal da comunidade, disseram ter sido alvejados por traficantes. A localidade conhecida como Região do 48 fica em território marcado por confrontos entre policiais e traficantes da facção criminosa Comando Vermelho.

Entre janeiro e agosto, o laboratório de dados sobre violência armada Fogo Cruzado registrou ao menos 43 tiroteios/disparos de arma de fogo na região —alta de 152% em relação ao mesmo período do ano passado. Aumentou também o envolvimento de agentes de segurança nos casos —neste ano, foram 13 casos, nove a mais do que em 2018.

Em depoimento à DH (Divisão de Homicídios da Capital), os seis agentes da guarnição envolvidos afirmaram terem revidado injusta agressão. No total, disseram ter efetuado 32 disparos. Após o cessar-fogo, dizem ter percebido um homem caído que foi levado por moradores ao hospital, onde morreu pouco depois. A ação não teve presos tampouco apreensões.

Nascido e criado na comunidade, Alexandre Duarte, 48, era bastante conhecido graças ao seu trabalho como mestre de bateria. No dia 17 de julho, Mestre Pressão, como era chamado, tinha acabado de subir o Tabajaras com três pessoas para avaliar um novo projeto.

"Ele queria trazer exame de sangue, dentista e clínico geral para a comunidade a baixo custo", lembra Guga Ribeiro, presidente da associação de moradores do Tabajaras e amigo da vítima.

Região do 48, onde Alexandre foi morto, é marcado por confrontos entre PMs e traficantes - Reprodução
Região do 48, onde Alexandre foi morto, é marcado por confrontos entre PMs e traficantes
Imagem: Reprodução

O que dizem os PMs e testemunhas sobre a morte

A necropsia mostrou que o disparo que matou Alexandre atingiu seu lado direito, entrando na região lombar e saindo um pouco abaixo do peitoral esquerdo. Segundo os policiais, a vítima foi atingida por traficantes porque estaria virada na direção dos criminosos.

No entanto, a versão da família, amigos e moradores do Tabajaras diverge totalmente —segundo eles, além de não ter havido confronto, Alexandre estaria com seu lado direito voltado para onde partiram os disparos dos agentes da UPP.

"Está claro pra mim que Alexandre não foi vítima de bala perdida nenhuma", disse a viúva, Tatiana Silva, 40. "Ele foi assassinado pela polícia".

A certa altura da rua Euclides da Rocha, Alexandre e os colegas estacionaram o carro e o músico voltou a pé para procurar uma pessoa. Os visitantes ficaram no veículo. Foi nesse momento que, segundo relatos, a polícia entrou atirando.

"Foi tudo muito rápido, mas posso garantir: não tinha ali ninguém do tráfico naquele dia para trocar tiro", disse Ribeiro, que estava em uma quadra esportiva próxima.

A versão é corroborada pelas visitas que Alexandre trazia. No depoimento dos três, não é citada a presença de traficantes. Uma dessas pessoas disse ao UOL que, se houvesse criminosos no local, o carro ficaria furado pelos tiros. Ela pediu anonimato, pois afirma que, após depor à polícia sobre o caso, recebeu ao menos duas ameaças explícitas por telefone.

No meio da rua, Alexandre precisou entrar no primeiro espaço que conseguiu para se proteger: um comércio local. A testemunha ouvida pela reportagem estava próxima.

Foi só o Pressão [apelido de Alexandre] sair do carro que os policiais entraram atirando. Ele correu pra se esconder dentro de uma loja e começou a ligar para alguém avisando para saírem do veículo e se abrigarem em algum beco. Aí veio um policial militar que com certeza pensou que o Alexandre estava falando com algum bandido, mirou nele e atirou.

Testemunha do crime

O relato se aproxima ao feito no inquérito por outra testemunha. Essa versão, além de reforçar os indícios de que não havia traficantes nos arredores, aponta que a vítima foi vista entrando correndo em um estabelecimento, onde começou a falar preocupado com alguém no telefone.

Alexandre estava mandando mensagens de áudio, via Whatsapp, para os visitantes que estavam no carro, pedindo que eles se protegessem em uma escada próxima. A reportagem do UOL teve acesso às mensagens para confirmar seu conteúdo.

Poucos instantes após pedir que o músico, preocupado com a segurança dos colegas, voltasse para dentro do comércio para se proteger, uma das testemunhas lembra ter ouvido um grito de "Ai meu deus" vindo da vítima. Ao sair de seu esconderijo, viu que Alexandre estava caído e sangrando.

Moradores e familiares dizem que Alexandre pode, inadvertidamente, ter se exposto à linha de tiro tentando observar se seus visitantes conseguiram sair do carro em segurança. Um dos presentes no carro disse que o veículo estava estacionado mais à frente de onde a vítima foi atingida, à esquerda de quem está dentro do estabelecimento olhando para a via. Nesse cenário, porém, a vítima fica em posição oposta àquela declarada pelos PMs da UPP, com seu lado direito exposto aos disparos vindos das forças de segurança.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro foi procurada para comentar as divergências entre os relatos das testemunhas e dos agentes da UPP Tabajaras/Cabritos. Em nota, respondeu que, por se tratar de um caso sigiloso, não comentará o andamento das investigações.

A PM, por sua vez, não respondeu à reportagem se os agentes envolvidos persistem trabalhando na guarnição da UPP Tabajaras. O UOL ainda questionou a corporação sobre as contradições e sobre o fato de testemunhas responsabilizarem policiais pela morte, mas também não obteve resposta.

Tatiana (à esq.) e Adara (à dir.), viúva e filha de Alexandre, criticaram a PM e o governador - Leonardo Coelho/UOL
Tatiana (à esq.) e Adara (à dir.), viúva e filha de Alexandre, criticaram a PM e o governador
Imagem: Leonardo Coelho/UOL

Witzel recomendou que família "falasse com narcotráfico"

Para a família e amigos de Alexandre Duarte, o luto tem sido ainda mais difícil porque, além da ausência, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), se pronunciou sobre o caso, mas não com condolências.

Criticado em seu Instagram por uma usuária que tentava chamar atenção para o aniversário de um mês da morte do músico, o perfil oficial do governador respondeu: "Fala isso para os narcotráfico [sic]".

"Não imaginaria essa resposta vinda de nenhum ser humano. Ele deveria ser o último a pensar dessa forma, sugerir que a família pergunte para os traficantes?", disse Adara Duarte, filha de Alexandre. "Eu esperaria respostas desse nível de um leigo, não de alguém que já foi magistrado."

O UOL entrou em contato com a assessoria do governador, questionando o porquê do comentário, uma vez que o Inquérito Policial sequer está finalizado. A reportagem perguntou ainda se a gestão pretende se desculpar à família caso o Ministério Público do Rio resolva denunciar os agentes envolvidos.

Em nota, a assessoria de Wilson Witzel disse que o governo lamenta a morte de vítimas inocentes em ações policiais.

"As operações realizadas pelas polícias, que têm como principal objetivo localizar criminosos e apreender armas e drogas, são pautadas por informações da área de inteligência e seguem protocolos rígidos de execução, sempre com a preocupação de preservar vidas. Todas as mortes decorrentes de intervenção de agente público são apuradas. Caso comprovado algum excesso, são aplicadas punições previstas em lei", afirmou, por meio de nota.

A família de Alexandre agora inicia uma extensa luta por justiça nos tribunais. Segundo a defesa, será pedida indenização ao estado por danos morais aos filhos e à viúva, além de custeio para acompanhamento psicológico.

"A violência do Rio de Janeiro está impraticável", avalia Adara, que é ex-moradora do Tabajara e hoje atua como arquiteta. "Depois do assassinato do meu pai já tivemos mais seis jovens mortos em uma semana. Parece não ter fim! E não terá fim enquanto a ordem for atirar para matar."

Mestre de Bateria morto no Tabajaras é enterrado 18/07/2019 19h09

bandrio

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias