Topo

Chavismo divulga novas fotos de Guaidó ao lado de paramilitares colombianos

19/09/2019 21h49

Caracas, 19 set (EFE).- O governo da Venezuela divulgou nesta quinta-feira novas fotos do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, junto de supostos integrantes do grupo paramilitar colombiano Los Rastrojos, que atua na fronteira entre os dois países.

A emissora estatal "VTV" mostrou imagens de Guiadó ao lado de dois homens que o teriam ajudado a atravessar na fronteira no último dia 22 de fevereiro, quando o opositor liderou uma fracassada tentativa de levar ajuda humanitária à Venezuela.

Os supostos integrantes do grupo paramilitar foram identificados como Jhonathan Orlando García, apelidado de "Patrón Pobre", e Argenis Vaca, mais conhecido como "Vaquita". Segundo o governo da Venezuela, os homens já cometeram homicídios, sequestros, narcotráfico e extorsão na fronteira.

O procurador-geral da Venezuela, Tareq Saab, disse que as fotos provas que Guaidó e os membros do Los Rastrojos "se admiram mutuamente" e trabalham juntos.

Saab já havia aberto um inquérito para investigar Guaidó pelos possíveis vínculos que o opositor teria dois líderes do Los Rastrojos - Albeiro Lobo Quinteiro, conhecido como "Brother", e Jhon Jairo Durán, chamado de "Menor" pelos integrantes do grupo.

Imagens e vídeos de Guaidó ao lado de "Brother" e "Menor" foram inicialmente divulgadas pelo ativista Wilfredo Cañizares, líder da Fundação Progresso do Norte de Santander, uma ONG colombiana de direitos humanos. Depois, o conteúdo foi exibido no programa do presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello, na "VTV".

Guaidó disse, então, que não conhecia os dois homens e que tirou fotos com várias pessoas que acompanharam a tentativa da oposição de tentar levar ajuda humanitária à Venezuela pela fronteira com a Colômbia.

"Quiseram banalizar o fato, como se eles fossem pessoas admiradores deste cidadão. É capaz, sim, deles o admirarem, porque são integrantes de uma mesma quadrilha de narcoparamilitares que quer, pela via da violência, banhar a Venezuela de sangue", disse Saab.

O procurador-geral da Venezuela também disse que quatro familiares de Jhon Jairo Durán, que está preso na Colômbia, foram mortos recentemente. Para ele, os crimes foram uma tentativa de silenciá-lo.

"A hipótese de investigação que pode haver aqui os fez matá-los para silênciá-lo, para que ele não diga o que o mundo está conhecendo agora, da vinculação estreita, orgânica, entre o senhor Guaidó e este grupo narcoparamilitar", afirmou Saab. EFE

Mais Notícias