Topo

Fala de Macron sobre imigração gera críticas em campos opostos da política

Ludovic Marin - 4.abr.2019/AFP
Imagem: Ludovic Marin - 4.abr.2019/AFP

Em Paris (França)

17/09/2019 11h41

O presidente da França, Emmanuel Macron, vem recebendo críticas nesta terça-feira, após apresentar posicionamento mais duro sobre a imigração, que rendeu oposição de partidários de extrema-direita, de esquerda e também de integrantes de organizações humanitárias.

A poucos dias da abertura do debate no Parlamento sobre a nova lei de imigração, que está previsto para o próximo dia 30, o chefe de estado afirmou ontem, durante reunião do partido Em Marcha, que é preciso ser mais firme, em particular, no amparo aos refugiados.

"Não podemos desviar o olhar deste assunto", afirmou Macron, que completou dizendo que o assunto beneficiou a extrema-direita durante anos.

O líder francês, que recentemente trocou farpas públicas com o presidente Jair Bolsonaro, defendeu que existe a ameaça do partido que integra se tornar "burguês", já que aos integrantes da elite a imigração não é um tema sensível, por não estarem nas ruas. Além dos grupos privilegiados, Macron também disparou contra a esquerda.

"Não quis enfrentar o problema durante décadas. As classes populares estão migrando para a extrema-direita", disparou.

O governo avalia que o número de processos de asilo seguem em disparada na França, enquanto caem no restante da Europa. Em 2017, foram 100 mil registros, enquanto este ano a expectativa é de 130 mil.

Segundo Macron, o aumento se dá pela desorganização existente no país, e também pela atuação de máfias.

O discurso, para analistas, pode marcar um endurecimento na política de concessão de asilos na França. Já são feitas comparações, inclusive, com a atuação do ex-presidente Nicolas Sarkozy, do campo político conservador.

A líder de extrema-direita Marine Le Pen afirmou nesta terça-feira que, às vésperas de eleições, o antecessor de Macron já havia levantado o tema da imigração, sem, no entanto, atuar de forma firme contra ela.

Da esquerda, as críticas contra o atual presiente é de que ele está assumindo um discurso de quem sempre se opôs.

"Ao adotar o lado do Agrupamento Nacional, o presidente Macron, que queria ser um muro, se transforma numa passarela para esse partido de extrema-direita", afirmou o líder socialistas, Olivier Faure.

Macron reclama que Bolsonaro cancelou encontro para cortar o cabelo

UOL Notícias

Mais Notícias