Topo

Saída de Bolton muda cenário para petróleo marcado por sanções

Lucia Kassai e David Wethe

11/09/2019 15h28

(Bloomberg) -- A demissão do conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, proporcionou algum conforto aos mercados de petróleo sobre o fornecimento de curto prazo. Mas analistas estão divididos se a medida vai levar a uma flexibilização de longo prazo na política externa dos EUA em relação ao Irã e à Venezuela.

A cotação do petróleo tipo Brent chegou a cair mais de 2% depois que o presidente Donald Trump anunciou no Twitter que havia demitido Bolton, considerado uma de suas vozes de política externa mais combativas. A produção de petróleo do Irã havia caído 40%, e a da Venezuela despencado 48% desde que Bolton assumiu o cargo em abril de 2018.

A demissão "poderia ser um catalisador para uma redução material do impasse com o Irã" e poderia trazer de volta cerca de 700 mil barris por dia de petróleo iraniano, possivelmente no primeiro trimestre, disse Helima Croft, chefe global de estratégia de commodities da RBC Capital Markets, em nota na terça-feira.

Em conferência de imprensa na Casa Branca após o anúncio de Bolton, o secretário de Estado, Michael Pompeo, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disseram que continuam comprometidos com a campanha de "pressão máxima" contra o Irã e que estão em sintonia com Trump sobre o assunto. O governo declarou repetidamente sua intenção de reduzir as exportações de petróleo do produtor da Opep para zero.

"O secretário Pompeo agora é o claro líder da equipe de segurança nacional de Trump", e seria difícil encontrar um maior adversário da Venezuela e do Irã, disse Joseph McMonigle, analista de energia da Hedgeye Research, em nota na terça-feira.

O Eurasia Group disse em e-mail que, sem Bolton - que "foi o 'Dr. No' quando se tratava de negociações com o Irã"-, há uma probabilidade maior de que Trump se encontre com o presidente iraniano na Assembleia Geral da ONU.

Trump saiu do acordo nuclear entre o Irã e as potências mundiais no mês seguinte à nomeação de Bolton. A decisão reduziu as exportações de petróleo iraniano, pois seus principais clientes evitavam as compras para não sofrer sanções dos EUA.

--Com a colaboração de Rachel Adams-Heard, Kevin Crowley e Pratish Narayanan.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Lucia Kassai em São Paulo, lkassai@bloomberg.net;David Wethe em Houston, dwethe@bloomberg.net

Mais Notícias