Topo

"Capital fantasma" responde por 40% do investimento estrangeiro

Chris Bourke

11/09/2019 12h51

(Bloomberg) -- Quase 40% - ou cerca de US$ 15 trilhões - do investimento estrangeiro direto global é formado por "capital fantasma" destinado a minimizar a carga tributária de empresas multinacionais, segundo um estudo publicado pelo Fundo Monetário Internacional.

Tais investimentos - que agora são equivalentes ao PIB combinado da China e da Alemanha - aumentaram cerca de 10 pontos percentuais na década passada, apesar das tentativas globais direcionadas de conter a evasão fiscal, segundo o estudo do FMI realizado em parceria com a Universidade de Copenhague. O capital normalmente é transferido por empresas de fachada que não possuem atividades comerciais de fato.

"O IED é frequentemente um fator importante para uma genuína integração econômica internacional, estimulando o crescimento e a geração de empregos e aumentando a produtividade", afirmou o relatório. Mas o capital fantasma é a "engenharia financeira e tributária" que "confunde as estatísticas tradicionais de IED e dificulta o entendimento da genuína integração econômica".

Quase metade do capital fantasma global é hospedado por Luxemburgo e Holanda, segundo o relatório, sendo que apenas 10 economias respondem por mais de 85% desses investimentos.

"Luxemburgo, um país de 600 mil habitantes, hospeda tanto IED quanto os EUA e muito mais do que a China", afirmou o relatório. "Um IED desse porte dificilmente reflete os investimentos físicos na minúscula economia luxemburguesa", cujos US$ 4 trilhões em investimento estrangeiro direto correspondem a US$ 6,6 milhões por pessoa.

"Sem surpresa", constatou o estudo, a exposição de uma economia ao IED fantasma aumenta com a alíquota do imposto sobre as empresas.

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Mais Notícias