Topo

Itália autoriza desembarque de migrantes retidos em navio

20/08/2019 20h19

Com agravamento de situação a bordo, Justiça italiana põe fim a impasse que durava 19 dias. Promotoria do país determina ainda apreensão de navio humanitário que resgatou migrantes no Mediterrâneo.Depois de um impasse que já durava 19 dias, a Promotoria de Agrigento, na ilha da Sicília, na Itália, ordenou nesta terça-feira (20/08) a apreensão do navio humanitário espanhol Open Arms e o desembarque imediato no porto de Lampedusa dos cerca de 90 migrantes que continuavam a bordo da embarcação.

O promotor da cidade, que responde pela ilha de Lampedusa, Luigi Patronaggio, tomou a decisão após visitar a embarcação, acompanhado de vários médicos, para verificar a situação dos migrantes, que a tripulação descreveu como "desesperadora".

Patronaggio foi de helicóptero à Lampedusa, diante do agravamento da situação. Na manhã desta terça-feira, 15 migrantes pularam no mar, sem salva-vidas, tentando alcançar terra a nado. O promotor chegou a classificar a situação como "explosiva".

"Depois de 19 dias, desembarcaremos hoje em Lampedusa. O navio será apreendido temporariamente, mas é um custo que a Open Arms assumiu para garantir que as pessoas a bordo possam ser atendidas", afirmou o diretor e fundador da ONG de ajuda humanitária, Oscar Camps.

A decisão do procurador é o último episódio de uma saga que começou há mais de duas semanas, quando o navio humanitário resgatou, em 01 de agosto, 134 pessoas do mar Mediterrâneo ao longo da costa da Líbia. Desde então, a Itália e Malta vinham recusando ao Open Arms o acesso aos seus portos.

Depois de duas semanas retido no mar, a ONG espanhola que opera o navio disse que a situação na embarcação estava "fora de controle". No sábado, o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, autorizou o desembarque de 29 menores, e, no dia seguinte, o governo espanhol propôs receber o navio em Algeciras.

A Opens Arms declinou a oferta devido a impossibilidade de seguir viagem dada a "situação insustentável" a bordo. Os passageiros estavam dormindo todos juntos no convés do navio e compartilhando os dois únicos banheiros que havia a bordo. A tensão e a longa espera causou ainda brigas no navio. Nesta terça-feira, a Espanha enviou um navio militar para buscar os migrantes, porém, a embarcação só chegaria em Lampedusa daqui a três dias.

Os 83 migrantes, a maioria de países africanos, que ainda estavam a bordo do navio humanitário começaram a desembarcar na ilha de Lampedusa por volta das 23h50 (horário local).

Com a ordem da promotoria italiana, o navio da Open Arms terá que seguir por mais duas semanas na Itália, durante a realização das investigações.

O Ministério Público investiga um possível crime de sequestro de pessoas, não dirigido a qualquer pessoa concretamente, para determinar porque os resgatados pelo navio não puderam desembarcar na Itália, apesar de um tribunal do país ter derrubado a proibição imposta por Salvini.

A Alemanha, França, Romênia, Portugal, Espanha e Luxemburgo haviam se oferecido para receber os migrantes. Mesmo assim, Salvini se recusou a permitir que a embarcação atracasse em Lampedusa.

CN/efe/lusa/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Mais Notícias