Topo

Ex-PM condenado por matar mulher na PB dirigiu prisão e agora dá palestras

O ex-detento Antônio Galdino da Silva Neto enquanto diretor do presídio de Sapé, na Paraíba - 11.out.2013 - João Medeiros/Folhapress
O ex-detento Antônio Galdino da Silva Neto enquanto diretor do presídio de Sapé, na Paraíba
Imagem: 11.out.2013 - João Medeiros/Folhapress
do UOL

Luís Adorno

Do UOL, em João Pessoa

17/08/2019 04h02

Em 1987, o paraibano Antônio Galdino da Silva Neto, que tinha entre 19 e 20 anos, decidiu seguir os passos do irmão mais velho e trabalhar na PM (Polícia Militar) do estado. Durante seus cinco anos de corporação, diz ter sido um agente linha dura, promovendo, inclusive, tortura física e psicológica contra suspeitos.

A carreira na corporação, no entanto, acabou quando ele trocou o papel de policial pelo de autor de um crime.

Durante uma briga com a mulher, em 1991, Silva Neto decidiu amedrontá-la com a arma. Apontou o revólver contra o rosto dela que, segundo ele, disparou acidentalmente. O tiro atingiu o rosto da mulher, que morreu na hora.

Ele se entregou no batalhão de polícia. Depois de 39 dias, foi expulso da corporação.

Ali teve início sua saga dentro do sistema penitenciário paraibano, onde entrou como detento, cumpriu sua condenação e, anos depois, retornou como diretor de uma unidade.

Tentei socorrer minha mulher, mas não consegui, fiquei desesperado. Fiquei sem saber o que fazer, eu tinha 24 anos. E aí fui para o presídio de Princesa Isabel, na fronteira com Pernambuco. Era a cidade que eu trabalhava na época. Quando eu cheguei, estavam lá pessoas que prendi, que troquei tiro. Eu estava condenado à morte.

No primeiro mês, Silva Neto ficou detido no quartel da PM. Quando foi expulso, foi levado para o presídio da cidade de Princesa Isabel, no sertão paraibano. Foi condenado a 15 anos e oito meses de prisão. Depois da condenação, foi para um presídio maior, na cidade de Campina Grande, a 100 km de João Pessoa.

Antônio Galdino da Silva Neto enquanto PM - Arquivo pessoal
Antônio Galdino da Silva Neto enquanto PM
Imagem: Arquivo pessoal

"Todos os dias, quando eu acordava, achava que aquele dia era meu último dia", disse.

Ao todo, Silva Neto ficou 5 anos e 21 dias preso. Depois, teve progressão de pena para o regime semiaberto e recebeu indulto natalino do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Assim que foi para o semiaberto, o então deputado estadual Pedro Medeiros, atendendo a um pedido de sua mãe, com quem tinha amizade, o convidou para trabalhar como segurança na Assembleia Legislativa.

"Lá, virei amigo de vários deputados. Entre eles, Ricardo Coutinho, que foi governador da Paraíba durante oito anos (de 2011 até 2018). Entre uma sessão e outra, a gente conversava. Quando ele ganhou a eleição para governador, em 2011, o presidente da Assembleia não se batia com Ricardo e me exonerou porque sabia que eu o defendia. Ricardo, então, me chamou pra ser diretor do presídio de Sapé", relembrou.

Ele ficou como diretor da unidade até 2015. E diz que pôde fazer o que reivindicava como ativista de direitos humanos.

No meu primeiro dia como diretor, assim que cheguei no presídio as famílias dos presos me abraçaram. Entrei, fui direto falar com os presos. Falei para eles me olharem olho no olho, não mais de costas e com a cabeça para baixo. Mandei acabar com a 'masmorra', que era uma cela de castigo.

Silva Neto afirma ter entrado nas celas. "Falei: 'vocês atiram tudo para fora da cela assim que eu sair daqui: arma, facão, celular e droga. Amanhã, eu vou fazer uma vistoria grande aqui e quem tiver com coisa ilícita vai para um presídio pior'. Atiraram muita coisa. As duas facções locais: Okaida e Estados Unidos conviviam normalmente lá dentro, porque aquilo que eles reivindicavam eles tinham: respeito com os direitos humanos e individuais deles", complementou.

Atualmente, ele integra uma ONG que tenta ajudar ex-presidiários a se adaptarem à vida fora das grades em todo o país, chamada Associação Brasileira de Ressocialização, além de ser empresário e contar sua vida em palestras.

Antônio Galdino da Silva Neto fala com presidiários em unidade prisional do interior da Paraíba - Arquivo pessoal
Antônio Galdino da Silva Neto fala com presidiários em unidade prisional do interior da Paraíba
Imagem: Arquivo pessoal

Mais Notícias