Topo

Deputado do PSL pede a USP explicações sobre "eventos ideológicos"

O deputado estadual Douglas Garcia (PSL) - Zanone Fraissat
O deputado estadual Douglas Garcia (PSL) Imagem: Zanone Fraissat
do UOL

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

14/08/2019 15h30

O deputado estadual Douglas Garcia (PSL) pediu ao reitor da USP (Universidade de São Paulo), Vahan Agopyan, explicações sobre os "vários eventos de diversas vertentes ideológicas, políticas e filosóficas" nos campi da universidade. No último dos cinco pedidos --publicado no Diário Oficial do Estado em 8 de agosto--, Garcia afirma que a USP vem destinando "espaço e despesas para fins questionáveis".

O deputado quer saber, por exemplo, "quantos eventos foram ministrados na USP em todos seus campus [sic] desde o início do ano"; quais eventos "foram organizados por movimentos estudantis" e se há eventos previstos e agendados: "Se sim, quais e organizados por quem?"

"Acontece em toda a USP", afirmou o deputado ao UOL. "É um absurdo a utilização do campus para fazer palestra de partido político como o PT, PSOL E PCdoB."

Procurada, a reitoria da USP não retornou até a última atualização desta reportagem.

Garcia cita um evento na universidade no campus São Carlos chamado "Bem-vindo ao Marxismo". "Era um curso dentro da universidade voltado aos militantes do PSOL. Pedi explicações à USP e representei no Ministério Público."

Outro curso que irritou o deputado se chamou "Como combater o fascismo", organizado pelo grupo político Balaio, ligado à juventude do PT. "Colocaram o Bolsonaro nisso daí. Se fosse para pesquisar a fundo o fascismo, é legal, mas estão colocando uma figura política que não tem nada a ver com o fascismo, que foi eleita democraticamente. É ideológico, partidário", diz o deputado.

"Foi um curso sobre a história do fascismo", rebate a Coordenadora do DCE (Diretório Central de Estudantes) da USP, Juliana Godoy. Ela explica que o curso aconteceu entre março e abril. "Foram cinco segundas-feiras em que estudamos o fascismo na Itália, na Alemanha nazista, na ditadura militar brasileira."

Na ocasião, a foto de Bolsonaro foi estampada na bandeira do curso, que também exibia os rostos de Franco, Hitler, Mussolini e Médici. "Não é um posicionamento colocar a imagem dele, mas um questionamento. Nossa discussão era sobre o anacronismo do termo 'fascismo'. A gente pode replicá-lo nos dias de hoje? Como a gente caracteriza esse governo, e o que caracterizou o fascismo na década de 1930 e o caracteriza hoje?", questiona a estudante.

Quero saber o quanto está sendo gasto para abrir as portas da USP para a manutenção desses eventos. Água, luz e espaço não são grátis. Quem autorizou esse tipo de evento?
Douglas Garcia, deputado estadual

"O Douglas está obcecado por nós há algum tempo", diz Juliana. "Ele pergunta 'quais são os critérios para reservar um auditório' porque não entende que se você é um estudante na universidade pública e quer fazer uma reunião ou debater, o departamento vai ver a disponibilidade da sala e reservar. Ele acha que a USP tem um critério ideológico para decidir a quem reservar a aula. Um estudante do PSL pode fazer o mesmo sempre que quiser", afirma.

Ato pró-Bolsonaro organizado na USP em 29 de outubro - Luiz Alberto Gomes/UOL
Ato pró-Bolsonaro organizado na USP em 29 de outubro
Imagem: Luiz Alberto Gomes/UOL
"Eu desafio que alguém me apresente um evento do PSL na USP", rebate o deputado. "É hegemonia política partidária de um lado só. Não tem pluralidade de ideias. Se eu for até lá, serei escoltado pela polícia."

Isso de fato aconteceu no ano passado, logo depois da vitória de Bolsonaro nas eleições. Garcia se juntou a um evento de tom jocoso chamado "Marcha do Chora Mais", convocado por estudantes de direita que foram à USP comemorar a vitória presidencial.

"Fui até lá. Foram umas 15 pessoas, parte delas estudantes da universidade", relembra o parlamentar. "Ao nosso redor, centenas de estudantes da USP gritavam contra. A gente teve de ir embora escoltado."

É censura?

Juliana duvida que os requerimentos do deputado evoluam para algum tipo de censura na USP. "A universidade está comprometida com a liberdade de organização e manifestação. O problema é que o deputado deixa outras pessoas no direito de ofender os movimentos ou de entrar nos eventos para atrapalhar."

Garcia nega autoritarismo em seus pedidos. "Se for negado pelo reitor, vou ao Ministério Público. Quero juntar um dossiê para coibir esse tipo de evento. Não quero censurar ninguém nem falar sobre política, mas que haja neutralidade e pluralidade de pensamento."

Talvez a gente viva o período mais difícil da nossa geração, com cortes nas verbas pelo Ministério da Educação. Nós dos centros acadêmicos e juventude temos a tarefa de organizar debates sobre esse momento, que é político e histórico. Temos de estimular nosso direito de expressão, que é garantido, pelo menos por enquanto.
Juliana Godoy, coordenadora do DCE da USP

Entenda qual é a proposta do Escola Sem Partido

TV Folha

Mais Notícias