Topo

Governo arrecada R$ 148,5 milhões em leilão de áreas em portos de SP e PR

Ao todo, três áreas foram leiloadas nos portos de Santos (foto), em São Paulo, e Paranaguá, no Paraná - Juca Varella/Folha Imagem
Ao todo, três áreas foram leiloadas nos portos de Santos (foto), em São Paulo, e Paranaguá, no Paraná Imagem: Juca Varella/Folha Imagem
do UOL

Da Agência Brasil

13/08/2019 14h22

O governo federal arrecadou hoje (13) R$ 148,5 milhões em outorgas com o leilão de três áreas nos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR). O certame aconteceu na manhã desta terça-feira na B3, a Bolsa de Valores brasileira.

A primeira área foi arrematada por R$ 112,5 milhões pela Hidrovias do Brasil. A empresa ganhou o direito de exploração por 25 anos de três armazéns interligados por esteiras ao cais, em um total de 29,3 mil metros quadrados para movimentação de sal e fertilizantes. A previsão do governo é que a nova concessionária traga investimentos de cerca de R$ 219,3 milhões.

A disputa foi apertada, com diversos lances em viva voz. A proposta inicial da Hidrovias do Brasil havia sido de R$ 65 milhões, mas foi aumentada para competir com as novas ofertas feitas pela Aba Infraestrutura e pelo Consórcio TRH, que também participaram do leilão. A última proposta, do TRH ficou em R$ 112 milhões, sendo que a Hidrovias do Brasil venceu com um lance R$ 500 mil superior.

A segunda área em Santos foi leiloada para a Aba Infraestrutura por R$ 35 milhões. A outra concorrente, a Empresa Brasileira de Terminais, teve o lance desclassificado por ter diversos outros ativos na mesma parte do porto. Sendo assim, a oferta da Aba foi a única considerada válida.

O espaço, com 38,4 mil metros quadrados, é destinado à movimentação de líquidos, como produtos químicos, etanol e derivados de petróleo. A estimativa do governo é que sejam feitos R$ 110,7 milhões em investimentos.

Também em lance único, a Klabin arrematou por R$ 1 milhão uma área de 27,5 mil metros quadrados para movimentação de cargas em geral. Estão previstos investimentos de R$ 87 milhões.

Mais Notícias