Topo

Governo quer mudança no BPC e na pensão para policiais federais, diz Joice

do UOL

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

2019-06-24T14:10:57

2019-06-24T16:39:07

24/06/2019 14h10Atualizada em 24/06/2019 16h39

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou que o governo vai trabalhar por mudanças no parecer da reforma da Previdência sobre o pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) para pessoas com doenças raras e sobre o pagamento integral da pensão por morte de policiais federais --ponto alterado no texto enviado ao Congresso.

O anúncio das mudanças, afirmou, deverá ser feito pelo porta-voz da Presidência da República até terça-feira (25). A afirmação foi feita em entrevista após Joice se reunir com o presidente Jair Bolsonaro, ministros e outras lideranças no Palácio do Planalto.

A líder, contudo, chamou as alterações de "pequenas mudanças" que causam impacto negativo e disse que, no "estica e puxa" das contas que está sendo feito pelo Executivo --comandado pelo secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho,-- o governo trabalha para alcançar a economia original que pretendia com a reforma, de R$ 1,1 trilhão em dez anos.

Sem dar detalhes, Joice afirmou que a economia que o governo poderá ter com a medida provisória de combate às fraudes no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) --sancionada pelo presidente na semana passada-- poderá chegar a R$ 200 bilhões. Esse número é o dobro do originalmente apresentado pelo governo, uma economia de R$ 100 bilhões no mesmo período.

"Já houve o acréscimo de alguns bilhões de reais, estamos perto de R$ 1 trilhão", disse Joice.

Joice acrescentou que mudanças no sistema previdenciário de estados e municípios só deverão ser possíveis no plenário. "Muitos governadores querem [ser incluídos na reforma], mas não querem assumir o desgaste. Eles querem que a gente resolva o problema", disse.

A líder afirmou que o governo vai trabalhar para garantir a votação na comissão nesta semana e no plenário, na próxima. Ela disse que quer garantir uma margem de uma semana de votação da proposta antes do início do recesso. "Estamos contando [com] terminar tudo uma semana antes do recesso", afirmou.

Joice disse ainda que não vai cravar o número de votos que o governo terá na votação da reforma, mas avaliou que, com as mudanças, deverá ter pelo menos de 10% a 15% do que se esperava. A proposta de emenda à comissão da reforma, para ser aprovada em plenário, tem de ter pelo menos 308 dos 513 votos em dois turnos de votação.

(Com Reuters)

Governo faz merchandising da reforma da Previdência no Programa do Ratinho

UOL Notícias

Mais Notícias