Topo

Moro sugere melindre em caso que cita FHC, diz site

São Paulo

2019-06-19T07:41:00

19/06/2019 07h41

O ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, questionou, em 2017, em suposto diálogo com o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, uma investigação envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Nas mensagens divulgadas ontem pelo site The Intercept Brasil, Moro afirma que a apuração poderia "melindrar" alguém cujo apoio era importante para a operação.

O site também publicou supostos diálogos entre os procuradores nos quais eles concluem que a investigação sobre doações de Grupo Odebrecht para o Instituto Fernando Henrique Cardoso se resumiria a um crime tributário, o que enfraqueceria a acusação contra o Instituto Lula e a Lils, a empresa de palestras e eventos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ambos investigados pela força-tarefa.

A troca de mensagens relatada pelo site teria ocorrido em 13 de abril de 2017, um dia depois de a imprensa divulgar a informação de que a força-tarefa havia enviado à Procuradoria da República em São Paulo dados sobre supostas doações eleitorais via caixa 2 para campanhas eleitorais de FHC em 1994 e 1998. Na época, o suposto crime de caixa 2 estaria prescrito.

Moro teria questionado Dallagnol sobre a iniciativa e alegado que o que vira na TV era muito fraco. O procurador teria concordado com a fragilidade da prova e justificado o ato ao então juiz afirmando que era para passar um recado de "imparcialidade". Foi então, que segundo o site, Moro teria demonstrado contrariedade, pois assim eles estariam melindrando alguém cujo apoio seria importante.

Ainda de acordo com o site, FHC seria citado em nove oportunidades pelos procuradores. Para o Intercept, os procuradores teriam feito "jogo de cena", fingindo investigar o tucano em um caso que sabiam estar prescrito. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais Notícias