Topo

Seguidores acampam para acompanhar na Flórida início de campanha de Trump

2019-06-17T15:01:00

17/06/2019 15h01

Miami, 17 jun (EFE).- Seguidores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acamparam nesta segunda-feira diante das portas do Amway Center, local onde o magnata deve anunciar amanhã oficialmente sua intenção de disputar as eleições de 2020.

Veículos de imprensa de Orlando publicaram fotografias dos seguidores que chegaram até 40 horas antes do início do comício no Amway Center, que tem capacidade para 20 mil pessoas.

Para poder participar do comício, era preciso se inscrever previamente. Segundo o próprio Trump escreveu no Twitter, foram recebidas mais de 100 mil solicitações, por isso a organização está "instalando grandes telões para poder atender a todos".

No entanto, o Partido Democrata da Flórida publicou nesta segunda-feira uma pesquisa que, segundo disse, mostra que "Trump é tóxico em Orlando", com 69% de desaprovação à gestão e apenas 28% das pessoas dispostas a votar nele se as eleições fossem agora.

A pesquisa foi realizada com 565 eleitores de Orlando e sua região metropolitana de 11 a 13 de junho, segundo os democratas.

Em tal região se concentram muitos dos 1,2 milhão de porto-riquenhos, alinhados na maioria com o Partido Democrata, que chegaram à Flórida depois da devastadora passagem do furacão Maria, que arrasou em setembro de 2017 a ilha, onde muitos criticam a atuação de Trump após o desastre.

As portas do Amway Center serão abertas às 16h (horário local) e está previsto que o comício comece às 20h local.

Antes, foi marcado para um bar próximo um protesto "pacífico" pela presença do presidente em Orlando.

O lema deste protesto é "Win with Love" (Ganhar com amor) e seu símbolo é um boneco inflável gigante de Trump bebê usando fraldas, cara de nojo e um celular na mão.

Os organizadores anunciaram que a campanha através do GoFundMe para arrecadar fundos para colocar o "Trump bebê" no céu de Orlando foi bem-sucedida.

A meta era arrecadar US$ 3,5 mil em 24 horas e a campanha conseguiu US$ 3,8 mil de 167 doadores, segundo disseram os organizadores do protesto contra as "políticas de ódio, de corrupção e de negligência do governo Trump".

Até agora, só o ex-governador do estado de Massachusetts Bill Weld anunciou a intenção de concorrer com Trump para obter a candidatura republicana.

No lado contrário, o Partido Democrata conta com mais de 20 pessoas dispostas a brigar para obter a indicação democrata para disputar as eleições em 3 de novembro de 2020, entre eles o ex-vice-presidente Joe Biden, o senador Bernie Sanders e Julián Castro, que foi secretário de Habitação no governo de Barack Obama.

Dos pré-candidatos democratas, 20 participarão na próxima semana em Miami do primeiro debate público para as primárias do partido, que acontecerá em dois dias e será transmitido pela emissora de televisão "NBC". EFE

Mais Notícias