Topo

Manifestantes reforçam apoio a Bolsonaro em momento complicado do governo

2019-05-26T18:30:00

26/05/2019 18h30

Waldheim García Montoya.

São Paulo, 26 mai (EFE).- O presidente Jair Bolsonaro recebeu neste domingo um voto de confiança de seus eleitores, que foram às ruas de várias cidades do país para apoiar reformas propostas pelo governo que enfrentam resistência no Congresso.

As mobilizações em favor da reforma da previdência, do pacote anticrime e de outras das medidas apresentadas pelo governo deram fôlego a Bolsonaro, que durante um culto evangélico no Rio de Janeiro afirmou que os atos eram em defesa do "futuro do país".

O apoio popular ao governo ocorre 11 dias depois de grandes protestos liderados por estudantes, que contaram com respaldo de sindicatos e movimentos sociais, como uma reação aos cortes de verbas das universidades anunciados pelo Ministério da Educação.

Apesar de as mobilizações deste domingo terem sido convocadas para pressionar o Congresso a aprovar as reformas apresentadas pelos ministros Paulo Guedes e Sergio Moro, elas acabaram se tornando um ato explícito de defesa do governo de Bolsonaro.

Os manifestantes usavam camisas da seleção brasileira e levavam cartazes de apoio ao "mito". Muitas mensagens tinham como alvo o Supremo Tribunal Federal (STF), que vem sendo muito criticado por eleitores e aliados do presidente.

Bonecos infláveis do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, já usados em manifestações contra a corrupção convocadas desde 2013, também foram levados às ruas neste domingo.

Moro também ganhou uma "versão gigante", mas vestido de Super-Homem. O boneco foi exibido na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, onde os manifestantes e algumas lideranças religiosas subiram em carros de som para expressar apoio a Bolsonaro.

A maior concentração ocorreu na orla de Copacabana, no Rio de Janeiro. Também houve grande apoio a Bolsonaro em São Luís, no Maranhão, em Belém, no Pará, e em Belo Horizonte, em Minas Gerais.

Em Juiz de Fora, cidade onde o presidente foi esfaqueado ainda na campanha eleitoral, os manifestantes se reuniram em frente à Câmara Municipal e também declararam apoio às reformas de Bolsonaro.

Apoiadores do presidente registraram manifestações em 12 dos 26 estados brasileiros, além do Distrito Federal, apesar das críticas de aliados políticos ao movimento, como o próprio presidente do PSL, Luciano Bivar, que disse que os atos eram "sem sentido".

Em São Paulo, os manifestantes se reuniram na Avenida Paulista, mas não em número suficiente para lotar uma das principais vias da cidade. Eleitor de Bolsonaro, Samuel Rodrigues dos Santos disse à Agência Efe que foi protestar porque pensa no futuro de sua filha.

"O Brasil era um país de bandidos feito para bandidos. Vamos mudar isso, esse é o começo, com Jair Messias Bolsonaro", disse.

Para o físico Daniel Paulo, a situação do país é difícil porque o presidente tem obrigação de governar, mas não toma decisões sozinho. "Estamos aqui para apoiar quem realmente quer trabalhar pelo nosso país: Sergio Moro, Paulo Guedes e Bolsonaro. Queremos também que o Congresso trabalhe em prol do país e não seja somente uma farra de negócios como é até agora", ressaltou.

A mobilização atenua, em parte, as últimas pesquisas de opinião sobre a popularidade do presidente. No fim de abril, a aprovação de Bolsonaro caiu para 35%. Outros 31% achavam o governo regular e 27% o classificavam como péssimo, de acordo com o Ibope. EFE

Mais Notícias