Topo

Me entrego se tiver 15 mil likes: fugitivo da polícia faz acordo inusitado

Fugitivo tem sete mandados de prisão - Getty Images
Fugitivo tem sete mandados de prisão Imagem: Getty Images
do UOL

Thiago Varella

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

23/05/2019 18h09

Um fugitivo entrou em um acordo com a polícia de Torrington, em Connecticut (EUA), para se entregar se o post com sua foto de "procurado" receber 15 mil curtidas no Facebook.

Jose Simms, de 29 anos, está foragido e tem sete mandados de prisão contra ele. Ele está sendo procurado desde que faltou a uma audiência local com a Justiça.

O tenente Brett Johnson explicou, na página da polícia de Torrington no Facebook, que Simms entrou em contato com ele pela rede social dizendo que toparia se entregar caso sua foto recebesse 20 mil curtidas. Após negociação, ele concordou em reduzir para 15 mil.

"Vai ser difícil, mas é possível conseguir", escreveu Johnson.

O tenente também acrescentou que, se alguém tiver alguma pista sobre o paradeiro de Simms, as autoridades devem ser informadas. Acredita-se que o fugitivo esteja em Nova York.

O acordo da polícia com Simms chamou a atenção da imprensa e dos moradores locais. Muitos criticaram a ação. Para Miki Haberfield, especialista em ética policial, o fugitivo está usando as redes sociais para manipular o noticiário e a polícia. Segundo ela, a polícia nunca deve negociar com um foragido, ainda mais pelo Facebook.

O fugitivo entrou em contato com a agência de notícias Associated Press e afirmou que ele está sendo sincero sobre o acordo feito. "Eu quero dar um pequeno incentivo por todo o trabalho pesado que eles fizerem em me procurar", afirmou.

Simms disse que as acusações contra ele resultam de problemas domésticos e que está cansado de fugir das autoridades. "Olhar por cima do ombro a cada cinco segundos pode causar muito estresse", escreveu.

O foragido disse ainda que está preparado para cumprir o acordo, insistindo que é um "homem de palavra".

Haberfield disse que Sims está claramente recebendo muita atenção, e é exatamente isso que ele quer. "Isso é 100% de manipulação", disse ela. "E para a polícia, não é algo ético a se fazer."

Mais Notícias